Tamanho do texto

O anúncio foi visto como positivo pelo mercado, uma vez que a aposta é de que a operadora possa usar estes recursos para fortalecer sua estrutura de capital

Agência Estado

Zeinal Bava, novo presidente da Oi
Marcos Pinto
Zeinal Bava, novo presidente da Oi

A Oi cancelou nesta quarta-feira (24) a antecipação de pagamento de R$ 1 bilhão em dividendos previstos para agosto, em um sinal de mudança de diretrizes pelo novo presidente da empresa, Zeinal Bava. O anúncio foi visto como positivo pelo mercado, uma vez que a aposta é de que a operadora possa usar estes recursos para fortalecer sua estrutura de capital e realizar investimentos para enfrentar a concorrência.

Veja também: Venda de ativos da Oi favorece nota de crédito, segundo Moody's

A promessa de volumosos pagamentos em dividendos foi uma das partes de um plano de metas que a companhia anunciou ao mercado no ano passado, com o objetivo de gerar valor de mercado. O endividamento, a desaceleração do mercado e a demora da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em aprovar a venda de ativos, porém, impossibilitaram o cumprimento deste planejamento. As metas anunciadas ao mercado contemplavam o pagamento entre 2012 e 2015 de R$ 8 bilhões em dividendos, desde que a relação entre a dívida líquida e o Ebitda não ultrapasse 3 vezes. Além disso, eram previstos anualmente para o período R$ 6 bilhões em investimentos.

A suspensão dos dividendos visa direcionar mais recursos para as áreas operacional, de tecnologia e de engenharia da Oi. “Isso é essencial na visão de Bava”, disse uma fonte da empresa. A possibilidade de suspensão do pagamento dos dividendos já vinha sendo prevista por analistas do setor. Isso porque a relação entre a dívida líquida e o Ebitda da Oi já havia superado as três vezes no primeiro trimestre deste ano, situação em que a distribuição do provento poderia ser cancelada.

Veja também: Oi vai contratar 800 técnicos de operação e manutenção em 21 Estados

“Vemos como positivo o anúncio do não pagamento dos dividendos, pois mostra uma disciplina da empresa em respeitar o limite de endividamento”, afirmou o analista da Ativa, Marcelo Torto. Segundo ele, é essencial que a operadora reinvista na qualidade da própria operação, como forma de gerar futuramente caixa operacional. Após uma queda na abertura do pregão, as ações preferenciais e ordinárias da Oi fecharam em alta de 5% e 7,16%, respectivamente. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.