Tamanho do texto

No Brasil, o crescimento permaneceu forte "em todos os formatos", com as vendas orgânicas subindo 9,5% no segundo trimestre, enquanto na Argentina a alta das vendas foi de 23,8%

Agência Estado

O câmbio do Brasil e da Argentina teve um impacto negativo de 1,9% sobre o resultado global
Getty Images
O câmbio do Brasil e da Argentina teve um impacto negativo de 1,9% sobre o resultado global

O Grupo Carrefour anunciou nesta quinta-feira (17) que suas vendas líquidas subiram 1,3% no segundo trimestre de 2013, para € 20,46 bilhões em moeda constante. O câmbio do Brasil e da Argentina, devido a contínua depreciação das moedas, teve um impacto negativo de 1,9% sobre o resultado global. Considerando a variação cambial, as vendas registraram queda de 0,6% no período.

Veja também: Aluguel até 45% mais barato atrai franquias para supermercados

Nos seis primeiros meses do ano, as vendas totalizaram € 41,01 bilhões, o que também corresponde a uma elevação de 1,3%, considerando também moeda constante. Já com as taxas atuais do câmbio, as vendas no semestre caíram 1%.

No Brasil, o crescimento permaneceu forte "em todos os formatos", com as vendas orgânicas subindo 9,5% no segundo trimestre, enquanto na Argentina a alta das vendas foi de 23,8% em moedas constantes, incluindo crescimento orgânico de 16,2% no mesmo período.

Veja também: Ex-Pão de Açúcar lança restaurante de massa rápida em shoppings

Já na China, as vendas orgânicas cresceram 4,6% em moedas constantes. Na América Latina, as vendas líquidas aumentaram em 11,7% em moedas constantes, para € 3,88 bilhões, e as vendas orgânicas subiram 11%. Entre abril e junho, as moedas exerceram um impacto negativo de 10,5% no desempenho do grupo na região, em função da contínua depreciação do real e do peso argentino contra o euro.

Considerando os efeitos do câmbio, as vendas na região registraram alta de 1,2%. No semestre, as vendas na América Latina somaram € 7,85 bilhões, correspondendo a alta de 12,8% em moeda constante, com crescimento orgânico de 12,5%. Já considerando as taxas atuais do câmbio, o avanço foi de 0,5%.