Tamanho do texto

Tributos de importação subiram para proteger indústria, mas devem cair por conta da inflação

Reuters

A expectativa de que o governo reduza imposto de importação para uma série de produtos tem pesado nas ações de empresas como Usiminas, Braskem e Petrobras nesta sexta-feira (5), que tinham as maiores baixas do Ibovespa.

Nesta sexta-feira (5), o jornal O Estado de S. Paulo noticiou que o governo deve cortar o imposto de importação para aço, resinas, vidro, painéis de parede, borracha, plásticos, alumínio e outros produtos industriais para ajudar a controlar a inflação.

-Veja também: governo pode reduzir impostos de importação, diz Guido Mantega

O Imposto de Importação foi elevado no fim do ano passado para proteger a indústria, mas de acordo com o jornal, deve cair devido à preocupação com a inflação, a atual prioridade do governo.

Às 16h05, as ações preferenciais da Usiminas, maior produtora de aços planos do país despencavam 7,9%, a R$ 6,75.

Às 16h05, o papel da maior petroquímica das Américas, Braskem, perdia 7,3%, a R$ 15,75
Divulgação
Às 16h05, o papel da maior petroquímica das Américas, Braskem, perdia 7,3%, a R$ 15,75

O papel da maior petroquímica das Américas, Braskem, perdia 7,3%, a R$ 15,75, enquanto a ação preferencial da petrolífera estatal Petrobras perdia 4,3%, a  R$ 15,28.

No mesmo horário, o Ibovespa mostrava queda de 1,54%.

Siderúrgicas elevaram preços no Brasil em pelo menos duas ocasiões no primeiro trimestre, meses depois que o governo federal elevou imposto de importação de 100 produtos, incluindo aço e petroquímicos, em setembro do ano passado.

Na ocasião, o objetivo da medida foi ajudar a indústria a enfrentar a crise internacional e a concorrência com produtos estrangeiros. As alíquotas foram elevadas para 25% em média.

Segundo dados do Instituto Aço Brasil (IABr), as importações de aço pelo País de janeiro a maio acumularam queda de 10,8% sobre o mesmo período do ano passado, para 1,439 milhão de toneladas, pressionadas ainda pela desvalorização do real contra o dólar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.