Tamanho do texto

Redução foi compensada, em parte, pela contribuição crescente das áreas do pré-sal

Agência Estado

A Petrobras informou, nesta terça-feira (2), que a produção de petróleo (óleo, mais líquido de gás natural - LGN) no Brasil atingiu a média de 1,892 milhão de barris por dia (bpd) em maio, volume 1,7% abaixo do produzido em abril (1,924 milhão de barris). Incluída a parcela operada pela empresa para seus parceiros, a produção exclusiva de petróleo no Brasil chegou a 1,942 milhão bpd.

-Veja também: Petrobras registra recorde de processamento em suas refinarias

De acordo com a petroleira, a queda foi influenciada por paradas programadas para manutenção. A redução foi compensada, em parte, pela contribuição crescente das áreas do pré-sal, que tem se somado aos resultados consolidados da produção.

A Petrobras relatou que bateu, no último dia 18 de maio, novo recorde de produção no pré-sal, com 322,1 mil bpd. O volume foi 11 mil barris por dia superior ao recorde anterior, em 17 de abril, quando a produção havia chegado a 311,5 mil bpd.

A Petrobras relatou que bateu, no último dia 18 de maio, novo recorde de produção no pré-sal
Agência Petrobras
A Petrobras relatou que bateu, no último dia 18 de maio, novo recorde de produção no pré-sal

A produção total (petróleo e gás natural) dos campos nacionais em maio foi de 2,267 milhões barris de óleo equivalente por dia (boe/d), volume 2,1% menor do que o extraído no mês anterior, disse a Petrobras na nota.

Incluída a parcela operada pela Petrobras para empresas parceiras, o volume total produzido foi de 2,359 milhões boe/d. Somado à produção da empresa no exterior, o volume total de óleo mais gás natural produzido pela Petrobras atingiu, em maio, a média de 2,5 milhões boe/d, 2% abaixo da produção total de abril.

"O decréscimo no volume produzido decorreu de paradas programadas para manutenção das plataformas P-25 e P-31, instaladas no campo de Albacora, na Bacia de Campos, e do FPSO Cidade de Angra dos Reis, que opera no projeto-piloto do campo de Lula, na Bacia de Santos", disse a Petrobras.

A companhia também esclareceu que "a parada programada no FPSO Cidade de Angra dos Reis ocorreu em paralelo à da Unidade de Tratamento de Gás de Caraguatatuba (UTGCA) —para adequação da planta, que permitirá o processamento da crescente produção de gás, mais rico, proveniente do pré-sal".

A produção de gás natural —sem liquefeito— dos campos da companhia no Brasil alcançou 59,722 milhões de metros cúbicos por dia, volume 2,702 milhões de metros cúbicos abaixo do realizado em abril, devido à parada do campo de Mexilhão concomitante à parada da UTGCA em Caraguatatuba.

A produção total de gás no Brasil, incluída a parte operada pela empresa para seus parceiros, foi de 66,349 milhões metros cúbicos por dia, mantendo-se nos níveis de abril, de acordo com a Petrobras.