Tamanho do texto

Criada há sete meses, a Click Sustentabilidade atraiu 34 mil seguidores no Facebook premiando usuários que conquistam cliques ao promover produtos ecológicos

Bebê com fralda ecológica, fotografado pela mãe e internauta Fernanda Pasquale
Fernanda Pasquale
Bebê com fralda ecológica, fotografado pela mãe e internauta Fernanda Pasquale

Fraldas ecológicas e hortas verticais em casa. Essa é a ideia que a startup Click Sustentabilidade , criada pela empresária Paula Zomignani, pretende introduzir no cotidiano de internautas que almejam uma vida mais amigável ao meio ambiente.

Com sete meses de existência, a empresa conquistou 34 mil seguidores em sua página do Facebook , com a proposta de dar visibilidade a companhias que promovam produtos ou ações sustentáveis, premiando internautas que ajudem a promovê-los com posts nas redes sociais. Para isso, eles precisam conquistar um número mínimo de cliques.

“Quando o usuário atinge a visibilidade esperada, ele recebe o produto que promoveu em sua casa”, explica Paula. Pelo menos 650 pessoas já aderiram aos projetos, que vão de composteiras domésticas para cuidar do lixo orgânico, a cursos online e livros educativos sobre reciclagem e ações sustentáveis.

Outra novidade é um tecido chamado sling wrap, que encaixa o bebê no colo da mãe, dispensando o uso do carrinho, como observa a empreendedora. “Estudos mostram que é melhor para a criança ter contato físico com a mãe”.

A ideia agora é expandir os projetos para beneficiar comunidades carentes em regiões mais vulneráveis do País, engajando os internautas a divulgá-los por meio de fotografias e vídeos. “É o conceito do crowd sourcing, no qual quem ajuda não precisa colocar a mão no bolso”, explica a empreendedora.

Fica a cargo das empresas parceiras do Click Sustentabilidade patrocinar estes projetos beneficentes, e em contrapartida suas marcas ganham visibilidade nas redes sociais.

O mais recente passo da empresa foi a abertura de sua loja virtual, apenas com produtos sustentáveis, para internautas interessados em adquiri-los em maior quantidade. Parte dos lucros das vendas é destinada a uma ONG parceira da empresa.

Três barreiras à sustentabilidade

Antes de criar a startup, Paula constatou que o conceito de sustentabilidade precisava superar três barreiras. A primeira era a falta de informações dos consumidores sobre como levar uma rotina mais ecológica, antes restrita à coleta seletiva de lixo. “As pessoas querem ter mais atitudes sustentáveis, mas não sabem por onde começar”, comenta.

A segunda era o preço dos produtos sustentáveis. “A fralda ecológica, por exemplo, é bem mais cara que as descartáveis, mas é mais econômica no longo prazo, além de ecologicamente correta”, explica Paula. Dar a oportunidade para os usuários testarem os produtos foi a saída que ela encontrou para promovê-los.

A última constatação foi a dificuldade das empresas em promoverem seus produtos na internet. Por ter trabalhado na área de marketing, a empresária conhecia bem este empecilho às empresas. “Criamos uma forma de gerar visibilidade a elas sem serem invasivas nas redes”.

Um dos patrocinadores que a Click conquistou foi a Panasonic, parceria que possibilitou à empresa ser lançada no mercado. “Eles pretendem promover a tecnologia de iluminação com lanternas de led no Brasil, que são mais econômicas. Assim, divulgamos os benefícios desta tecnologia”, diz Paula.

Empresa

Paula deixou para trás um emprego na área de marketing em uma multinacional para dedicar-se com mais afinco à empresa no ano passado. Aos 30 anos, ela afirma que escolheu o caminho certo. “Vida de empreendedor é ótima”.

Com a ideia definida, ela e mais um sócio conquistaram recursos de um grupo investidor norte-americano, o MGM Innova. Somente agora, sete meses depois, é que a startup começa a ter uma rentabilidade melhor. Para compensar o custo do investimento, Paula sabe que não será de um dia para outro. “Esperamos que o retorno do investimento venha em pelo menos mais um ano”, conta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.