Tamanho do texto

Estatal peruana confirmou, contudo, que petroleira brasileira deve vender ativos no país

Agência Estado

O presidente da estatal Perupetro, Luis Ortigas, disse nesta quinta-feira (13) que o governo peruano não foi oficialmente notificado dos planos da Petrobras de sair do Peru, mas confirmou que a petroleira brasileira deve vender alguns ativos no país.

-Veja também: captação da Petrobras em 2013 soma US$ 19,2 bilhões

No Peru, a Petrobras tem o bloco 58 e uma participação minoritária no bloco 57, entre outros ativos. "A ideia é que a Petrobras deixe alguns de seus projetos no Peru para focar somente projetos maiores no Brasil", afirmou. "Ainda não sabemos exatamente como isso vai acontecer."

Ortigas afirmou também que o Peru pretende atrair mais de US$ 1 bilhão em investimentos no leilão de 26 concessões de petróleo na região amazônica do país. Segundo ele, os investimentos para exploração de cada concessão serão entre US$ 40 milhões e US$ 50 milhões.

Perupetro confirmou, contudo, que petroleira brasileira deve vender alguns ativos no país
Simon Townsley/Agência Petrobras
Perupetro confirmou, contudo, que petroleira brasileira deve vender alguns ativos no país

"Se for US$ 50 milhões, estamos falando de US$ 1,3 bilhão para a fase de exploração", disse Ortigas. No fim de maio, a Perupetro fez um leilão de nove concessões de petróleo, sua primeira licitação internacional em cerca de três anos. O governo afirmou que mais de 20 empresas se interessaram e que o leilão deve gerar pelo menos US$ 450 milhões em investimentos.

A Perupetro decidiu seguir em frente com a concorrência, mas adiar a concessão de blocos da Amazônia devido a uma nova lei que exige que o governo consulte comunidades indígenas antes do desenvolvimento de projetos de recursos naturais. Uma série de projetos de mineração e energia foram atrasados no Peru devido à oposição das comunidades rurais.

Ortigas disse que a Perupetro pretende começar as consultas para as 26 concessões em julho. Apesar de a lei afirmar que o processo deve durar 120 dias, Ortigas disse que, neste caso, pode demorar mais. "É a primeira vez que estamos fazendo isso, então é possível que leve um pouco mais de tempo. Temos que ir aprendendo."

Ele acrescentou, porém, que a Perupetro espera lançar o leilão para as concessões na Amazônia peruana antes do fim do ano. Segundo Ortigas, a Perupetro também busca reduzir o tempo de permissão para a exploração de petróleo e que a mudança deve ser implementada antes do leilão de nove concessões em outubro. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.