Tamanho do texto

A nova estimativa indica um aumento de 3,8% sobre a expectativa anterior da Boeing, antecipando uma melhora nas viagens na ÁSia-Pacífico

Reuters

A nova estimativa indica um aumento de 3,8% sobre a expectativa anterior da Boeing, antecipando uma melhora nas viagens na ÁSia-Pacífico
Getty Images
A nova estimativa indica um aumento de 3,8% sobre a expectativa anterior da Boeing, antecipando uma melhora nas viagens na ÁSia-Pacífico

A fabricante de aviões Boeing elevou nesta terça-feira sua expectativa de demanda por aviões para os próximos 20 anos, dizendo que as empresas aéreas precisarão de 35.280 novos jatos avaliados em US$ 4,8 trilhões, com a frota mundial dobrando nas próximas duas décadas.

A nova estimativa indica um aumento de 3,8% sobre a expectativa anterior da Boeing, antecipando uma melhora nas viagens na ÁSia-Pacífico que manterá as taxas de produção nas fábricas de aviões subindo.

Veja também: Boeing informa encomenda de sete aviões do novo modelo 737

As empresas aéreas precisarão de 24.670 jatos de corredor único, no valor de US$ 2,29 trilhões a preços de lista, segundo a nova estimativa, ante 23.240 estimados anteriormente. Isso inclui os modelos mais vendidos como o Boeing 737 e o Airbus A320.

A previsão para aviões de dois corredores como o Boeing 777 e os modelos da Airbus A330 e A350 caiu 1,5%, para 7.830, disse a Boeing.

Para os modelos jumbo Boeing 747 e Airbus A380, a expectativa caiu 3,8% para 760 aviões, ante 790 estimados no ano passado.

A previsão da Boeing para jatos regionais montados pela canadense Bombardier e pela brasileira Embraer ficou inalterada em 2.020 aviões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.