Tamanho do texto

Para Casino, sócio francês que controla a rede varejista, fato cria conflito de interesses

Diniz: agora, empresário lidera conselho do Pão de Açúcar e de uma de suas principais fornecedoras
AE/VALÉRIA GONÇALVEZ
Diniz: agora, empresário lidera conselho do Pão de Açúcar e de uma de suas principais fornecedoras

O empresário Abilio Diniz acaba de ser eleito presidente do conselho de administração da BRF, empresa resultante da fusão entre Sadia e Perdigão, em renião de acionistas realizada na tarde desta terça-feira. 

- Mais: Abilio vende ações do Pão de Açúcar

Indicado pela gestora de recursos Tarpon e pelo Previ (fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil), ambos acionistas da BRF, Abilio foi eleito com aproximadamente 62,3% do capital votante, sendo que 81,2% do capital esteve presente à assembleia. Houve 6,1% de votos contrários e 12,8% de abstenções.

Abilio também ocupa o cargo de presidente do conselho do Grupo Pão de Açúcar. O eventual acúmulo das duas funções era apontado como incompatível pelo Casino, sócio francês que no ano passado se tornou controlador da varejista.

Para o Casino, "parece incompatível que, ao mesmo tempo, o Sr. Abilio Diniz se torne relevante investidor e membro do Conselho de Administração (e talvez seu Presidente) de um dos maiores fornecedores da CBD [ o Pão de Açúcar ]. (...) A BRF é também é um dos maiores fornecedores (e dominante em alguns casos) dos principais concorrentes de CBD". O texto é parte de um voto do presidente do grupo francês, Jean-Charles Naouri, lido na última reunião do conselho da varejista.

Procurado após a eleição de Abilio na BRF, a assessoria de imprensa do Casino afirma que não haverá uma reação imediata ao apontamento do empresário e que "a posição do grupo francês já foi exposta diversas vezes e continua a mesma", ou seja, favorável à renúncia de Abilio à presidência do conselho do Pão de Açúcar.

O empresário, no entanto, nega haver incompatibilidade entre as duas funções. Na última vez em que se manifestou sobre o assunto, Abilio  disse ter direito de permanecer na presidência do conselho de administração do Pão de Açúcar "enquanto tiver saúde" para tal, conforme preveria o acordo de acionistas.

Para Abílio, não existe conflito de interesses na questão. "A eventual eleição de Abilio Diniz pelos acionistas da BRF para o cargo de Presidente do Conselho de Administração da referida companhia, não trará nenhum impacto para o GPA, pois não há qualquer impedimento legal ou ético ao exercício de ambos os cargos", afirma nota enviada recentemente à imprensa.

O analista William Castro Alves, da XP Investimentos, disse que, embora a questão do conflito de interesse não seja infundada, existem casos no mundo corporativo no exterior similares, com uma mesma pessoa presente em conselhos de empresas com relações comerciais.

O analista não espera alterações drásticas na estratégia da BRF, mas ressaltou que Abilio poderá trazer vantagens à empresa no que diz respeito à atuação no varejo.

"Abilio tem um conhecimento indiscutível em varejo, esse é o primeiro ponto que ele acrescenta à empresa. Ele conhece bem o setor, mas particularmente acho limitada a capacidade dele de exercitar grandes mudanças", afirmou.

LEILÃO DE AÇÕES

Abilio tem uma relação difícil com o Casino desde meados de 2011, quando ele tentou unir as operações do Carrefour no Brasil ao Pão de Açúcar. O grupo francês acusou o empresário de tentar minar o acordo de acionistas na Wilkes – holding de controle da varejista brasileira.

Horas antes da assembleia da BRF que apontou Abilio como chairman, o empresário promoveu um leilão para venda de parte das ações preferenciais do Pão de Açúcar de seu portfólio, levantando cerca de R$ 853 milhões.

Na operação feita na Bovespa no fim da manhã, Abilio vendeu, por meio do fundo Santa Rita, quase 8 milhões de ações preferenciais da varejista.

Foi o terceiro leilão de venda de ações do Pão de Açúcar por Abilio, após transações em dezembro de 2012 e janeiro deste ano com as quais o empresário levantou cerca de R$ 150 milhões e R$ 1,5 bilhão, respectivamente.

Com o leilão desta terça-feira, Abilio reduziu sua participação no total de ações preferenciais do Pão de Açúcar de cerca de 20%, antes de dezembro, para pouco mais de 5%.

Além dos papéis preferenciais (sem direito a voto), Abilio tem ações ordinárias da varejista dentro da Wilkes. Considerando o capital social total do Pão de Açúcar, o empresário ainda tem perto de 11% de participação na companhia.

Na bolsa paulista, as ações da BRF caíram 1,44% nesta terça-feira e terminaram o dia valendo R$ 45,14. O Ibovespa, que reúne as principais ações brasileiras, subiu 1,49%.

Sérgio Rosa, indicado pela Previ (fundo de pensão do Banco do Brasil e um dos principais acionistas da BRF), assume a vice-presidência do conselho da BRF, que ampliou o número de integrantes de dez para 11. O novo conselho, eleito para mandato de dois anos, toma posse nesta quarta-feira.

Na quarta-feira à tarde, Abilio Diniz e José Antonio Fay, presidente da companhia, darão uma entrevista coletiva em São Paulo.


* Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.