Tamanho do texto

Serão beneficiados 1.058 profissionais que foram contaminados em fábrica de Paulínia (SP)

A Raízen (Shell), de combustíveis, e a Basf, da área química, vão assinar na segunda-feira (8) o maior acordo da Justiça do Trabalho com o pagamento de cerca de R$ 400 milhões em indenizações por conta da contaminação química de trabalhadores em uma fábrica de pesticida em Paulínia (SP). Pelo menos 60 pessoas morreram.

As empresas foram processadas em 2007 pelo Ministério Público de Campinas (SP) por expor trabalhadores a contaminantes de alta toxicidade por um período de 30 anos
Getty Images
As empresas foram processadas em 2007 pelo Ministério Público de Campinas (SP) por expor trabalhadores a contaminantes de alta toxicidade por um período de 30 anos

Segundo nota do Ministério Público do Trabalho, serão beneficiados 1.058 profissionais. A assinatura será feita em audiência de conciliação às 10h30 no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília.

A redação final do acordo prevê que as empresas pagarão R$ 200 milhões por dano moral coletivo, R$ 170,8 milhões por danos individuais materiais e morais, além de assistência médica e odontológica integral às vítimas.

O caso

As empresas foram processadas em 2007 pelo Ministério Público de Campinas (SP) por expor trabalhadores a contaminantes de alta toxicidade por um período de 30 anos. De 1974 a 2002, as companhias mantiveram uma fábrica de pesticidas em Paulínia (SP), mas a planta foi desativada por ordem judicial.