Tamanho do texto

Área foi a que teve maior influência em prêmios do grupo segurador em 2012, de 17,9%

Volume de prêmios no seguro de pessoas do BB e Mapfre cresceu 26,3%
Getty Images
Volume de prêmios no seguro de pessoas do BB e Mapfre cresceu 26,3%

O seguro de pessoas foi a área que mais impactou o crescimento de 17,9% em prêmios do BB e Mapfre em 2012. O balanço, divulgado pelo grupo segurador nesta quarta-feira (27), mostrou que o segmento cresceu 26,3%. O mercado como um todo avançou menos. Já o lucro líquido, de R$ 884 milhões, subiu 19,1% em relação a 2011.

Na área de danos (como incêndio, transportes, setor rural e habitacional), a alta também foi relevante, pouco acima da média das outras seguradoras: 12,8% em prêmios pagos pelo grupo, contra 10,2%. Já o seguro de automóveis cresceu 13,9%, pouco abaixo da média do mercado, de 14,6%.

O reajuste médio das apólices de automóveis em 2012 ficou acima da inflação, entre 7% e 10%, segundo o Sindicato dos Corretores de Seguros de São Paulo (Sincor-SP). Questionado sobre o aumento, o presidente do grupo em Auto, Seguros Gerais e Affinities, Marcos Ferreira, admitiu um reajuste em torno de 6%, o menor do mercado, segundo ele. “A alta foi pressionada por fatores como a cotação de autopeças, inflação da mão e obra e índices de roubos e furtos”.

A queda gradual da taxa de juros no ano passado também teve impacto nas finanças das seguradoras. O preço geral dos seguros subiu entre 2% e 5% em 2012, segundo dados do Sincor-SP. Para o diretor de planejamento e controladoria do grupo, Carlos Alberto Landim, o lado bom dos juros menores é que eles aumentam o poder de compra do consumidor e o potencial de venda de seguros.

Por outro lado, o cenário força as seguradoras a aumentar a eficiência, a fim de equilibrar sua saúde financeira. “Temos que ser mais zelosos no controle de gastos e na reposição de patrimônios, além de manter o baixo custo administrativo”, afirma Ferreira.

IPO

Nesta terça-feira (26), um dia antes da divulgação do balanço do grupo, o BB Seguridade, do Banco do Brasil, entrou com um pedido de registro inicial de companhia aberta na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A intenção do banco de fazer uma IPO (oferta inicial de ações, da sigla em inglês) do braço de seguros havia sido anunciada em novembro do ano passado.