Tamanho do texto

Startup brasileira Geekie desenvolve software que propõe alterar método de ensino

Brasil Econômico

Os brasileiros da startup Geekie pretendem revolucionar o mercado nacional de educação com um novo aplicativo pioneiro que está em desenvolvimento no Brasil, visando promover o conceito ainda pouco difundido de ensino adaptativo.

O software tem inspiração no modelo utilizado pelo Google, que a cada visita do usuário armazena as informações dos sites que foram visualizados para posteriormente fazer anúncios direcionados. A ferramenta trabalhada pela Geekie busca realizar um serviço similar, só que na área da educação, conforme explica Claudio Sassaki, sócio da empresa.

“Partimos do princípio de que as pessoas não aprendem da mesma forma”, diz o empresário, que fez carreira no mundo financeiro, com passagens por Credit Suisse e Goldman Sachs. “Hoje nosso sistema de ensino é massificado”.

Na proposta da Geekie, em vez de o aluno ter de se adaptar ao professor e ao conteúdo, busca-se inverter a lógica e adaptar o conteúdo à capacidade individual de cada pessoa.

“Têm algumas empresas pelo mundo buscando dinheiro para fazer algo parecido, e optamos por fazer no Brasil, por brasileiros, para brasileiros”, destaca Sassaki. “Não existe nenhuma referência da qual possamos partir”, afirma.

O foco do software, explica o empresário, são os alunos que estão prestes a realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para popularizar o novo produto, a Geekie disponibilizou um simulado do exame neste ano, que teve aproximadamente 160 mil acessos.

No ano que vem, a mesma ação será replicada, e a expectativa é de que os acessos alcancem a casa do primeiro milhão. Após o simulado, o software da Geekie mostra o que o aluno precisa estudar para melhorar seu rendimento e conseguir a nota suficiente para entrar na faculdade que deseja.

Mas a startup está trabalhando em outros projetos direcionados ao ensino. “A ideia é criar uma plataforma que parta de um diagnóstico inicial e se adapte constantemente”, diz Sassaki.

A expectativa é que essa nova fase na história do empreendimento tenha início ao longo do primeiro semestre do ano que vem.

De olho nas carências que ainda afetam a maioria dos alunos da rede pública no Brasil, a empresa atua com uma política segundo a qual cada simulado que é adquirido por uma instituição de ensino privada tem como contrapartida um simulado gratuito para escolas do governo.

Essa preocupação social da Geekie contribuiu para que a empresa fosse uma das beneficiárias do programa de aceleração de startups da Artemisia em 2012, que busca empresas nascentes com um modelo de negócio sustentável, mas que tenham também a visão de diminuir a desigualdade entre as diferentes classes. O programa da Artemisia é gratuito, e está com as inscrições abertas até sexta-feira.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.