Tamanho do texto

Até o fim de 2013, devem chegar ao mercado os primeiros produtos da SDLG feitos no país

A unidade de equipamentos para construção da Volvo prepara uma nova fábrica no Brasil. Resultado de um investimento de US$ 10 milhões, a nova planta, porém, não produzirá máquinas com a marca da sueca, mas sim com o nome da chinesa SDLG, que tem a Volvo como sócia majoritária. “Tomamos essa decisão em decorrência do crescimento do mercado para produtos com tecnologia mais simples”, afirmou, ao BRASIL ECONÔMICO, Afrânio Chueire, presidente da Volvo Construction Equipment para a América Latina. As escavadeiras e carregadeiras fabricadas pela SDLG são voltadas para clientes que precisam de menos tecnologia embarcada nesse tipo de equipamento. “É um perfil de cliente que só tinha como opção a compra de produtos usados”, diz Chueire. Desde 2009, a Volvo já importava os equipamentos da SDLG para a América Latina.

Os produtos com a marca chinesa serão fabricados em Pederneiras, cidade do interior paulista. A unidade estará no mesmo terreno onde hoje funciona a fábrica de equipamentos da Volvo. “Foi uma escolha para manter as sinergias e para que a velocidade da implantação seja maior. Mas tanto as estruturas fabris e administrativas das duas marcas vão ser totalmente separadas”, afirma o executivo.

As obras da nova fábrica já começaram e as primeiras escavadeiras produzidas em Pederneiras devem chegar ao mercado no segundo semestre do ano que vem. “Até lá, manteremos o esquema de exportações”, diz Chueire. Ao longo de 2013, devem ser produzidas 120 escavadeiras na unidade. “Desde o início a ideia da fábrica é atender a demanda de toda a América Latina”, afirma Chueire. No começo, a unidade fabricará os quatro modelos de escavadeira que a SDLG tem no portfólio, com capacidades variando entre 13,8 toneladas e 24,3 toneladas. Segundo Chueire, não há planos imediatos de trazer para o país também a linha de carregadeiras, que seguirá com as vendas através do sistema de importações.

Segundo Chueire, com a decisão de trazer a produção das escavadeiras da SDLG para o Brasil a marca ganhará muito mais agilidade para tomar decisões mais agressivas e responder mais rapidamente às demandas do mercado latino. “Ao tomar essa decisão, a empresa demonstrou uma grande confiança no Brasil e no crescimento deste mercado de equipamentos por um bom tempo”, diz Chueire. Com a fabricação local, as áreas que vem sofrer maior impacto são a manutenção de pós-venda e uma sensível redução nos prazos de entrega.

As vendas dos produtos que serão fabricados no Brasil será feita pela atual rede de distribuidores que já trabalha com a marca. “Obviamente, seguimos com o trabalho para expandir a cobertura e chegar a cada vez mais lugares do Brasil”, afirma o executivo.

China

A notícia da futura fábrica da SDLG no Brasil repercutiu também na China, onde jornais locais apontaram o movimento como parte de uma tendência de gigantes mundiais utilizarem as marcas de seus parceiros chineses para atingir novos segmentos de mercado.

A constatação está em linha com o discurso oficial da Volvo. “Adotamos a posição de nos apoiar nas duas marcas, buscando a liderança em cada um dos segmentos em que elas trabalham”, diz Chueire.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.