Tamanho do texto

Recursos são financiados pelo Badesul, banco de fomento do RS

O aumento da demanda por produtos como óleo e gás faz com que seja ampliada cada vez mais a cadeia de fornecedores da Petrobras, que já conta com o Programa Progredir de Financiamento, formulado exclusivamente para atender todos seus fornecedores diretos e indiretos. Para trazer informações mais detalhadas sobre como funciona essa linha de crédito, Marcelo Perez, superintendente de operações do setor de Nova Economia do Badesul — banco de fomento do Rio Grande do Sul — explica que os créditos são voltados para empresas de todos os portes, sejam elas micro ou grandes companhias, já que o foco do programa é justamente atuar nas dificuldades encontradas por elas no momento de encontrar financiamentos e alavancar a produção.

“Para atender esse público, temos este ano o maior repasse do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que soma R$ 1 bilhão disponíveis para financiamento”, conta. Perez será um dos palestrantes do “Seminário: Brasil em Perspectiva Qualificar e Competir Petróleo e Gás: Fomento ao Crédito”, que acontece na próxima quinta-feira (13), em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, promovido pelo grupo Ejesa, por meio dos jornais BRASIL ECONÔMICO e O Dia.

O economista aproveita para destacar que as condições oferecidas nos financiamentos de longo prazo são as melhores do país. “Trabalhamos com taxa de 2,5% para a linha Finame — PSI, que é, sem dúvida, a melhor do país”, diz, lembrando que o prazo oferecido é de 120 meses, incluindo 24 meses de carência. “Os investidores precisam saber que há recursos disponíveis e as condições financeiras são favoráveis ao financiamento”, completa.

Quanto ao tipo de produto a ser financiado, o economista explica que ele é exclusivo para equipamentos nacionais, atendendo qualquer tipo de maquinário. Ainda de acordo com Perez, por conta de o programa ter como objetivo alavancar o investimento, não é necessário ter um valor mínimo de faturamento. Por isso, para ter acesso, basta apenas não ter restrições cadastrais. “O banco irá apenas fazer uma análise da capacidade que a empresa tem de quitar o empréstimo. Mas para facilitar esse acesso, a própria máquina entra como garantia, caso o empresário não tenha o que dar em troca”, destaca

O Badesul já financiou cerca de R$ 40 milhões para a fornecedora do setor Iesa Óleo & Gás, com a perspectiva de estimular sua cadeia.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.