Tamanho do texto

Empresa adota sistema de franquias, fecha parceria com Grupo Boticário e prepara 20 novos produtos

Há cinco anos no mercado, a mineira Kapeh Cosméticos se prepara para o processo de expansão no mercado brasileiro com a abertura de sua primeira franquia na cidade mineira de Pouso Alegre na próxima semana. A empresa, nascida na cidade de Três Pontas (MG), uma das maiores regiões produtoras de café do mundo, aproveitou o potencial produtivo dali para criar a primeira marca brasileira a comercializar unicamente produtos à base de café.

À frente da companhia, Vanessa Vilela espera abrir entre 4 e 7 novas franquias já em 2013. “Queremos crescer de forma consolidada, mas temos 250 cadastros de interessados em investir em uma unidade da Kapeh”, revela. Além disso, a empresa conta com duas lojas próprias no interior de Minas Gerais. O faturamento da empresa é guardado a sete chaves, mas Vanessa conta que nos últimos três anos, as vendas somadas cresceram cerca de 300%. “Para este ano, esperamos crescer 20%”, diz.

Para manter o crescimento, a empresa, que no final de 2010 tinha cerca de 70 produtos no portfólio já tem 100 itens diferentes no catálogo, sendo 15 lançados ao longo deste ano. Entre eles estão óleos, colônias, sabonetes, hidratantes e até desodorantes, para os públicos feminino, masculino e teen. Alguns, além da base de café, já mesclam outros produtos como o chocolate e a menta. “O crescimento das vendas de produtos masculinos é mais acelerado do que no setor feminino”, diz a empresária. No início do mês, a marca também firmou uma parceria com The Beauty Box, do Grupo Boticário.

Em 2013, além de crescer no mínimo o equivalente a 2012, a empresa se prepara para lançar 20 novos itens no mercado, que deverão atender clientes de 15 estados brasileiros e europeus, já que os produtos são exportados para Portugal, Holanda e em breve Japão e Estados Unidos. Por ano, são produzidas cerca de 360 mil unidades dos produtos, que têm como destino as lojas multimarcas, farmácias de manipulação, spas e até cafeterias. “São espaços mais exclusivos, onde o cliente pode verificar todas as possibilidades de consumo do café”, explica Vanessa. Segundo a empresária, a ideia é focar manter a marca em pontos de venda mais seletos, em confluência com o histórico de exclusividade dos produtos. Por isso, a empresa não busca colocar sua marca nas gôndolas de grandes redes varejistas.

Apesar da grande procura pelos produtos no mercado externo, Vanessa explica que o foco está principalmente no Brasil. “Ainda temos muito o que crescer em casa”, diz.

Para atender à crescente demanda, a empresa, que trabalha com a produção em fábricas de parceiros, saltou de três, para cinco unidades produtoras. “Por ora não estudamos construir uma planta própria”, adianta Vanessa.

Já os grãos de café vêm diretamente da fazenda pertencente à família do marido de Vanessa, que é engenheiro agrônomo e consultor em cafeicultura. “Com a flor da planta, produzimos uma linha de produtos aromatizantes para ambientes”, explica ela. A empresa também estuda investir em uma linha voltada para uso profissional em Spas e clinicas de estética. Para isso, aposta nas propriedades antioxidantes do grão para cair nas graças das consumidoras mais exigentes.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.