Tamanho do texto

Dassault investe na ampliação da plataforma e na mobilidade para manter crescimento de dois dígitos ao ano

Recriar os mínimos detalhes de Paris em um computador ou ver o que aconteceria se os icebergs fossem levados até a África, para derreter por lá e, assim, resolver os problemas de falta de água da região. Projetos como esses fazem parte da rotina dos executivos da Dassault Systèmes. A companhia francesa, especializada na criação de tecnologias de três dimensões, utiliza esse tipo de experimento como forma de divulgação de seus produtos: softwares e aplicativos para o desenvolvimento e a simulação de projetos em 3D. “Esse tipo de iniciativa é uma forma de ensinar, descobrir e educar sobre as possibilidades de nossos sistemas”, afirma Pascal Daloz, vice-presidente global de estratégia corporativa e desenvolvimento de mercado da companhia.

Tanto o projeto de Paris como o do iceberg foram desenvolvidos com base no que há de mais moderno no portfólio da empresa, que tem buscado a construção de uma plataforma o mais completa possível para o desenvolvimento de projetos “Nós acreditamos em um mundo virtual que se estenda ao mundo real e ajude a melhorá-lo”, diz Bernard Charlès, presidente da Dassault. Para isso, a companhia tem investido cada vez mais no desenvolvimento de sistemas que utilizem os potenciais da computação em nuvem e da mobilidade e também possibilitem simulações cada vez mais precisas. Esse conjunto de soluções é chamado pela empresa de 3D Experience. “Não somos mais apenas uma empresa de softwares, fazemos muito mais do que simplesmente desenvolver programas. Mas o passo que estamos dando agora não anula tudo o que construímos, tanto que nossos produtos mais antigos, criados na metade da década de 1990, ainda fazem parte do nosso portfólio. A ideia é expandir cada vez mais a plataforma”, afirma o presidente.

Com a evolução tecnológica, os produtos e serviços da Dassault, que antes ficavam um pouco restritos a empresas que trabalhavam com desenvolvimentos de projetos de engenharia mais tradicionais, como montadoras de automóveis e fabricantes de equipamentos pesados, hoje se aplicam a praticamente todo tipo de companhia. “Nossos programas são úteis e acessíveis para qualquer tipo de empresa, de qualquer porte”, afirma Charlès. Hoje, a estrutura da Dassault se divide entre 12 áreas, como aeroespacial e engenharia e arquitetura. Na lista de clientes, há empresas tão variadas quanto Procter & Gamble, Rio Tinto e Embraer.

Com essa estratégia de atender cada vez mais empresas e com produtos cada vez mais completos, a Dassault tem crescido a uma taxa anual de dois dígitos, apesar da crise econômica mundial. “Já temos até sentido o mercado europeu mais dinâmico nos últimos dois anos. Seja para crescer, melhorar a inovação ou cortar custos, nossos clientes da região têm investido ultimamente”, diz o presidente da Dassault.

Nos três primeiros trimestres de 2012, a Dassault teve faturamento de ¤ 1,4 bilhão, um crescimento de 7,6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

*O repórter viajou a convite da empresa

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.