Tamanho do texto

Lucro da petrolífera será motivado pelo câmbio estável e aumento do preço e nas vendas da gasolina e diesel

A Petrobras vai anunciar hoje, após o fechamento do mercado, um resultado bastante positivo, podendo chegar a R$ 6,3 bilhões, de acordo com aposta dos analistas de mercado.

Graça Foster, presidente da companhia já deu pistas, no início do mês durante um evento em São Paulo, quando informou que não acreditava que “o resultado visto no segundo trimestre possa acontecer novamente”. No período, a petrolífera registrou prejuízo de R$ 1,3 bilhão, impactado principalmente pela depreciação do real.

Segundo Graça, o resultado do terceiro trimestre vai estar “dentro do planejado”. No período entre julho e setembro, a Petrobras deve registrar um lucro estável de R$ 6,3 bilhão, o mesmo visto no terceiro trimestre do ano anterior. As projeções são baseadas na estimativa de quatro corretoras (Ágora, J Safra, Planner e Citi).

De acordo os analistas da Planner, ao contrário do segundo trimestre, no terceiro, a Petrobras viu um cenário mais positivo com o câmbio estável, aumento de preços e vendas no mercado interno e crescimento de exportações de petróleo. “Estimamos que a Petrobras reverterá o prejuízo do segundo trimestre para um lucro de R$ 6,9 bilhões no terceiro”, avalia o analista Luiz Caetano da Planner, corretora mais otimista com o lucro da petrolífera.

Já no caso do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) a média das corretoras mostra que o resultado pode atingir R$ 15,6 bilhões, enquanto a receita líquida deve totalizar R$ 73,8 bilhões.

O crescimento da receita é justificado em função do aumento dos preços da gasolina e diesel realizados em junho e julho, que somaram 7,83% e 10,2%, respectivamente. Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) referentes a julho e agosto têm indicações positivas para o resultado da companhia no terceiro trimestre. Comparando a média mensal do volume vendido de combustíveis em julho e agosto, ante os números do segundo trimestre do ano, observa-se um crescimento de 7,5%.

A equipe do J. Safra Corretora ressalta que “apesar da projeção de crescimento quase nulo para os próximos dois anos, a companhia terá o desafio de manter um ritmo estável em sua produção.”

Leonardo Alves, analista da corretora observou um preço estável do petróleo, em dólares, no terceiro trimestre, o que não deve trazer mudanças expressivas para a Petrobras. “Apesar da recuperação, o terceiro trimestre pode apresentar alguns problemas, tais como a continuação das margens negativas no segmento de refino (também decorrentes da alta do dólar), e a queda da produção natural da bacia de Campos, afetando a produção geral da Petrobras”, destacou.

Argentina

A Petrobras Argentina, subsidiária da estatal brasileira, registrou no terceiro trimestre lucro líquido de R$ 137,8 milhões (323 milhões de pesos argentinos), com ganhos que chegam a 390%. “Os bons resultados da perfuração na Bacia de Neuquina e operação de uma planta de tratamento de petróleo bruto na Bacia Austral, permitiram reverter os efeitos do declínio natural dos campos maduros dos depósitos na Argentina”, comunicou a empresa.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico