Tamanho do texto

Controladora da Avianca e da Taca tem até o dia 7 de dezembro para apresentar proposta formal pela companhia aérea portuguesa

O Synergy poderá assumir o controle da TAP ainda no primeiro trimestre de 2013, caso o governo português e o grupo comandando pelo empresário German Efromovich selem o acordo de venda da companhia aérea. De acordo com o vice-presidente da TAP, Luiz Mór, o Grupo Synergy tem até o meio dia (horário de Portugal) de 7 de dezembro para apresentar uma proposta firme de aquisição. A TAP é uma das últimas empresas que ainda estão nas mãos do estado português.

Na semana passada, Portugal confirmou que o Grupo Synergy foi o único habilitado a fazer proposta pela companhia portuguesa, que acumula dívidas de mais de 1 bilhão de euros e cujo valor de mercado, de acordo com especialistas, varia entre 500 milhões de euros e 1 bilhão de euros.

Sócios europeus

O Sinergy, que controla as companhias aéreas Avianca e Taca, poderá contar com o reforço de investidores europeus para adquirir a TAP. O movimento poderá garantir que Efromovich cumpra uma regra da União Europeia, que determina que as companhias aéreas do continente não tenham mais do que 49% de seu capital na mão de investidores estrangeiros, de acordo com Maria Luis Albuquerque, secretária de estado do Tesouro e Finanças, durante reunião no parlamento português.

De acordo com a autoridade, o Synergy deixou “claro seus planos de obedecer às normas da União Europeia e que tem intenção de fazer uma oferta em parceria com empresas europeia”. Procurado, o Grupo Synergy preferiu não comentar o assunto.

Bem de saúde

De acordo com Mór, apesar de ser afetada pela crise europeia e pela dívida pública que levaram o governo a se desfazer da TAP, a companhia aérea continua apresentando bons resultados. “A TAP vai bem , obrigada. Mas isso não quer dizer que a companhia não precisa disso (a privatização) já que seu acionista não pode fazer aumentos de capital na empresa” , comentou.

No Brasil, a empresa teve esse ano crescimento menor em relação a 2011. O volume de passageiros gerados no Brasil até setembro cresceu 2%, contra 45% entre o ano passado e 2010. Em Portugal, o crescimento, mesmo em crise, tem sido de 4,5% no volume de passageiros e 7,3% na receita. Os números da TAP do próximo balanço ainda serão divulgados. Mas o terceiro trimestre, adianta ele, foi considerado o melhor da história da TAP. “Nossa taxa de ocupação segue na média de 83% das aeronaves. Nosso projeto é crescer no Brasil e no Leste Europeu”, afirmou.(Com Bloomberg)

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico