Tamanho do texto

O resultado, a ser divulgado na sexta-feira após o fechamento do mercado, deve representar o retorno da Petrobras a um ambiente de lucros altos

Agência Estado

O balanço da Petrobras do terceiro trimestre deste ano deverá mostrar que o prejuízo reportado no segundo trimestre foi um ponto fora da curva na história da companhia.

Justificado por uma combinação de fatores, incluindo a variação do câmbio e perdas acumuladas por causa do insucesso exploratório em algumas localidades, o prejuízo de R$ 1,346 bilhão deverá ser mais do que compensado no terceiro trimestre, quando a estatal deve apresentar lucro líquido de R$ 8,07 bilhões.

A projeção é baseada na estimativa de seis casas (BES Securities, Bradesco Corretora, BTG Pactual, Deutsche Bank, Itaú Corretora e JP Morgan) consultadas pela Agência Estado. No terceiro trimestre de 2011, a estatal reportou lucro de R$ 6,34 bilhões.

O resultado, a ser divulgado na sexta-feira (26), após o fechamento do mercado, deve representar o retorno da Petrobras a um ambiente de lucros altos. Desde 2008, a estatal tem se habituado com lucros trimestrais na casa de R$ 7 bilhões a R$ 8,5 bilhões. Nesse período, apresentou um único prejuízo e apenas três lucros trimestrais abaixo de R$ 7 bilhões - considerando o padrão contábil de cada publicação.

O balanço de terceiro trimestre deve trazer como destaque uma receita recorde de R$ 72,17 bilhões. O número, caso se confirme, vai superar os R$ 68,05 bilhões do segundo trimestre deste ano, recorde atual, e também a receita de R$ 64,18 bilhões do terceiro trimestre de 2011.

A variação de 12% na comparação anual é sustentada nos reajustes de combustíveis entre junho e julho. No final de junho, entrou em vigor um aumento de 7,83% na gasolina e 3,94% no diesel. Em meados de julho, outro aumento, de 6% no diesel, também foi aplicado, com impacto parcial no segundo trimestre.

A companhia também será beneficiada por um câmbio mais favorável às exportações - efeito parcialmente compensado pelas perdas com a importação de combustíveis e posterior revenda a preços abaixo do custo no Brasil. Ainda no âmbito cambial, o resultado trimestral deve refletir a tendência de estabilidade do dólar no período, ao contrário do segundo trimestre, quando se valorizou 10,9% ante o real.

Os analistas também preveem que a Petrobras apresentará Ebitda (lucro antes de impostos)de R$ 16,44 bilhões no terceiro trimestre. As estimativas, contudo, apresentam discordância, já que oscilam de R$ 14,64 bilhões a R$ 18,70 bilhões. Como o Ebitda do terceiro trimestre de 2011 foi de R$ 16,67 bilhões, não há consenso se há elevação ou queda, na comparação anual.

A má notícia do balanço, já esperada, é a fraca produção de petróleo em território brasileiro. Entre julho e agosto (os dados de setembro ainda não foram divulgados), a produção ficou na casa de 1,9 milhão de barris por dia, abaixo da média de 2011.

A principal razão para a dificuldade de manter os níveis de produção de petróleo do ano passado é a interrupção das atividades no Campo de Frade, na Bacia de Campos, por causa de um vazamento detectado em abril. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.