Tamanho do texto

Último ciclo de aportes da montadora na operação brasileira, entre 2010 e 2012, foi de US$ 275 milhões

A Volvo planeja ser a líder em vendas de caminhões no mercado brasileiro nos próximos anos. Para isso, a marca vai investir US$ 500 milhões nas operações no país, de 2013 a 2015. O presidente mundial da montadora sueca, Olof Persson, em visita ao Brasil, disse ao BRASIL ECONÔMICO que uma das metas da companhia é começar a atuar em segmentos de volume, como veículos leves e médios.

“Esse é o início de uma nova era da Volvo no Brasil. A entrada em novos segmentos e os investimentos vultosos são o primeiro passo para a mudança de patamar da montadora no mercado brasileiro. O país é muito importante para o desenvolvimento de nossos negócios no mundo”, disse Persson, conforme adiantou o Brasil Econômico, em sua edição do dia 20 de setembro.

A Volvo tem sob o seu “chapéu” a Renault Trucos, a japonesa UD (antiga Nissan), a americana Mack e a indiana Reicher. “Ainda estamos concluindo os estudos para entrar com a nova marca, mas é importante ressaltar que um dos aspectos que estamos avaliando é o conhecimento da marca no mercado”, ressaltou o executivo. Nesse caso, que leva a melhor é a Renault, que já é forte nas vendas de automóveis e comerciais leves no país. “Com as cinco marcas podemos cobrir todos os segmentos de mercado no mundo e isso queremos implantar aqui também no Brasil.”

Assim, a Volvo seria forte concorrente da Mercedes-Benz, Man Latin America, Iveco e Ford, as únicas que tem veículos em todos os segmentos no Brasil. Na verdade, não seria a primeira vez que a Volvo cria soluções para atender o mercado. Em 2003, a montadora lançou a linha de caminhões semipesado, de até 23 toneladas. Hoje, os veículos VM já representam 10% das vendas do segmento no Brasil.

Além da nova marca que será comercializada no país até 2015, Persson ressaltou que os recursos de US$ 500 milhões serão aplicados também na capacidade de produtiva da montadora no país. Esses investimentos em expansão podem até passar por uma nova linha de produção de caminhões leves e médios. “Os próximos três anos serão cruciais para a empresa. Por isso, temos que ter um trabalho forte na área de produtos, capacidade, fornecedores e rede de concessionárias. Agora, quem vai decidir quanto será investido em cada área, será a administração local. Já coloquei as metas, agora eles decidem”, disse Persson diretamente ao seu comandado, Roger Alm, presidente da Volvo Latin America.

E a aposta da Volvo no Brasil é realmente alta. O último ciclo de investimentos na operação brasileira foi de US$ 275 milhões, de 2010 a 2012 e foram gastos, principalmente, no aumento da capacidade de produção na fábrica de Curitiba e em novos produtos. Hoje, a unidade pode fabricar por ano, em dois turnos de trabalho, 30 mil veículos, entre caminhões e ônibus.

“Fomos a montadora que apresentou o crescimento mais elevado nos últimos anos no Brasil. Isso, graças aos esforços de nossa equipe e os investimentos feitos por aqui. O mercado brasileiro tem um grande potencial de crescimento. E para crescer mais temos que ter produtos adequados ao que o cliente quer, por isso, a aposta em outros segmentos”, afirmou o executivo.

Além de começar a atuar em novos segmentos, a Volvo, segundo Persson, vai comercializar por aqui a nova linha de caminhões pesados e extrapesados, FH. “É um caminhão mundial. Ele também rodará no Brasil. Ainda não temos a data do lançamento, mas será no momento oportuno.” A nova linha será fabricada em Curitiba e vai substituir os caminhões comercializados hoje no mercado. Segundo o presidente da Volvo Latin America, Roger Alm, a empresa vai começar o projeto de nacionalização dos componentes para a produção dos novos modelos da linha FH.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.