Tamanho do texto

Companhias têm até às 13h (horário de Brasília) para declarar suas intenções para encerrar a fusão de U$45 bilhões, pedir mais tempo aos reguladores ou finalizar os planos para criar o maior grupo aeroespacial do mundo

Reuters

A EADS e a BAE estão engajadas em um esforço final para tentar salvar a fusão de US$45 bilhões entre as companhias aeroespaciais de uma disputa política que ameaça arruinar o acordo, enquanto aumentam as dúvidas sobre o apoio do governo alemão ao acordo.

As companhias europeias têm até às 13h (horário de Brasília) para declarar suas intenções para encerrar a fusão, pedir mais tempo aos reguladores do Reino Unido ou finalizar seus planos para criar o maior grupo aeroespacial do mundo.

Diversas fontes próximas às negociações disseram que a chanceler alemã Angela Merkel se opôs à proposta de fusão entre a controladora da fabricante dos aviões Airbus e o grupo de defesa britânico BAE. "Merkel é contra o acordo mas não deu os motivos para isso", disse uma fonte envolvida nas negociações.

Um porta-voz do governo alemão não quis comentar o assunto. A EADS disse não ter intenção de divulgar um comunicado na manhã desta quarta-feira.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.