Tamanho do texto

Produtora exclusiva para ponto de venda, Imbera quer liderança no Brasil

Com previsão de fabricar 380 mil refrigeradores até o final deste ano e faturar US$ 380 milhões, a Imbera está de olho na primeira posição do mercado brasileiro.

A companhia, que já é a segunda maior produtora mundial de refrigeradores específicos para pontos de vendas de refrigerantes e cervejas, já comercializou no ano passado, cerca de 30 mil unidades de seus produtos, no Brasil.

“Nossa meta é vender 200 mil refrigeradores nos próximos anos e competir fortemente com os líderes do mercado”, diz Hernan Mendoza, gerente-geral da companhia. Atualmente, o mercado brasileiro demanda cerca de 350 mil unidades por ano.

Das três unidades fabris da companhia, que é o braço da mexicana Coca-Cola Femsa, uma está no Brasil, onde a Imbera chegou a um ano e meio e se instalou na cidade de Itu (SP).

Ali, a capacidade instalada é de 240 mil unidades por ano, exclusivamente para os modelos da Coca-Cola e da Heineken. A companhia, cuja gestão mundial está a cargo de Muhtar Kent, não descarta novas investidas em unidades ou compras no Brasil, mas no futuro.

A operação brasileira responde atualmente por 8% das vendas da Imbera, mas deve subir ao final deste ano para 10%, já que a previsão é vender 40 mil unidades de produtos. As outras fábricas estão no México e na Colômbia.

Para atingir tais metas, a companhia aposta em tecnologia e inovação. Por ano, são investidos cerca de US$ 8 milhões por ano em pesquisa e desenvolvimento. “Criamos produtos em nosso centro e também em parceria com alguns fabricantes de componentes”, diz Mendoza.

Na unidade mexicana da Imbera, que fica a pouco mais de duas horas de Cidade do México, além da produção dos refrigeradores, está também a PTM, empresa do grupo Femsa, especializada no desenvolvimento de plásticos para revestimento dos refrigeradores e também na fabricação de material para os pontos de vendas.

A companhia tem cerca de 80 engenheiros trabalhando com inovação tanto no México quanto na Colômbia. “Agora, estamos formando uma equipe especializada em pesquisa na unidade brasileira”.

Com os investimentos em pesquisa e desenvolvimento, a Imbera tem como objetivo reduzir em até 20% o consumo de energia dos refrigeradores, além de ter 50% das unidades produzidas, abastecidas com gases que tenham baixa emissão de poluentes. Assim, a Imbera planeja consolidar sua presença nos 36 países onde atua, especialmente nas Américas, e planeja entrar em novos mercados, especialmente na Ásia.

Outra novidade está no lançamento de garrafas da Coca-Cola, Sprite e Fanta, nas versões de 600 mililitros, congeladas. Por meio de um controle de temperatura inteligente do refrigerador, algumas bolhas de gás carbônico do refrigerante se congelam instantaneamente quando a garrafa é aberta, deixando o produto gelado por muito mais tempo.

“Em algumas regiões onde já lançamos, houve incremento de até 22% nas vendas”, calcula Mendoza. A nova tecnologia deverá estar no mercado brasileiro até o início do próximo ano. n *A repórter viajou a convite da empresa

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.