Tamanho do texto

O coordenador do PRO-Furnas, Sérgio Ferraz, disse que a meta da reestruturação é reduzir as despesas operacionais em 22% até 2018

Reuters

A geradora e transmissora de energia Furnas anunciou nesta segunda-feira um plano de reestruturação organizacional que prevê reduzir o quadro de funcionários em 28% com programa de desligamento voluntário até 2013.

O anúncio da reorganização da subsidiária da estatal Eletrobras ocorre menos de uma semana após a presidente Dilma Rousseff ter anunciado redução média da conta de luz dos consumidores em 20,2% em 2013.

A diminuição do custo da energia no Brasil será possível graças à renovação antecipada e condicionada de concessões do setor elétrico e pela extinção ou redução de encargos.

A subsidiária da estatal Eletrobras fechou um convênio com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para o projeto de reorganização da empresa, batizado de PRO-Furnas.

O plano começa no primeiro trimestre de 2013, pelo prazo de 12 meses, e faz parte de um programa iniciado em 2011, segundo comunicado da companhia.

"A nova estrutura permitirá a Furnas promover uma gestão por processos e por projetos, otimizando custos e ganhando eficiência, em alinhamento aos novos desafios do setor elétrico", segundo a empresa.

O coordenador do PRO-Furnas, Sérgio Ferraz, disse que a meta da reestruturação é reduzir as despesas operacionais de Furnas em 22% até 2018.

O presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, já tinha afirmado que o efeito da renovação condicionada das concessões sobre o grupo era gerenciável, e que os impactos seriam atenuados por meio de redução de custos e entrada em operação de novas usinas geradoras de energia.

Na quarta-feira passada, uma importante fonte do governo disse à Reuters que o grupo Eletrobras teria que reduzir seus custos em 30% para compensar a renovação condicionada das concessões.