Tamanho do texto

Agência do ex-piloto realiza a “6 Horas de São Paulo”, prova que ocorre amanhã em Interlagos

Sendo a única cidade no mundo a abrigar etapas da Fórmula 1 e Indy, a capital paulista reforça sua presença no mundo do automobilismo ao receber neste sábado, 15, a corrida “6 Horas de São Paulo”. O evento é parte da estratégia da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) de globalizar a “24 Horas de Le Mans”, tradicional prova francesa que ocorre há 89 anos. E por trás da etapa no Brasil está um dos mais vitoriosos automobilistas brasileiro, Emerson Fittipaldi.

Além de ser uma das oito etapas da nova categoria, denominada World Endurance Championship (WEC), a corrida que acontecerá em Interlagos é o mais novo negócio de Fittipaldi, que além dos títulos alcançados na Fórmula 1, Indy e na corrida de Indianápolis, pode ser considerado um campeão também como empresário.

A própria realização das “6 Horas de São Paulo” é da agência Momentum Sports, do qual o ex-piloto é sócio ao lado de Kevin McNulty e Washington Olivetto.

“Trazer essa prova para o Brasil já era um sonho antigo que eu tinha e coincidiu com a intenção do presidente da FIA, Jean Todt, de internacionalizar a categoria. E seu potencial no mercado brasileiro é muito grande”, afirma Fittipaldi, sobre a corrida que reunirá máquinas que ultrapassam os 300 km/h de marcas como Ferrari, Porsche, BMW, Audi e Peugeot.

Além das pistas

Os investimentos de Fittipaldi tem tido sucesso também fora do mundo esportivo, onde já foi dono de uma equipe de Fórmula 1 ao lado do irmão Wilson nas décadas de 70 e 80. Hoje, o empresário mantém uma unidade de “médio a grande porte” de produção de laranja na região de Araraquara, interior de São Paulo. Toda o volume obtido em sua fazenda é comercializado para a principal empresa do país no ramo, a Cutrale.

“O Brasil lidera esse mercado com mais de 400 milhões de caixas ao ano e tem expandido sua atuação para países da Ásia, como a China”, comenta o ex-piloto. E para atingir todo o potencial no seguimento, Fittipaldi diz que o país precisa investir mais em marketing do produto para fazer frente às bebidas concorrentes. “É um produto natural e de baixo custo, mas que tem perdido espaço para os refrigerantes por conta das ações realizadas pelas grandes empresas para promover seus produtos”, aponta.

A crítica é de quem realizou uma das mais famosas (e também polêmica) ações de marketing no mundo da velocidade. Ao vencer a tradicional 500 Milhas de Indianápolis em 1993, Fittipaldi rompeu uma tradição de quase 60 anos da corrida ao beber uma jarra de suco de laranja no pódio ao invés de leite. “Para mim esse marketing foi fantástico e é comentado nos Estados Unidos até hoje”, diz ele.

Na terra do Tio Sam

O mercado americano é um dos principais alvos das investidas do ex-piloto no mundo dos negócios. Além de residir no país, Fittipaldi lançou no início deste ano uma empresa de concierge em Miami ao lado dos sócios Peter Yanowitch e Bernard Bohn denominada Elements Service, cuja atuação vai desde o aluguel de Ferraris à compra de imóveis.

Anteriormente, o empresário havia construído um shopping na cidade americana do qual ficou à frente por dois anos e que foi vendido na última década por US$ 120 milhões, montante esse que já lhe garante o lugar mais alto do pódio no mundo dos negócios.

Campanha em conjunto com o governo visa reduzir em 50% os acidentes de trânsito no país

A realização da corrida “6 Horas de São Paulo” neste final de semana foi escolhida para ser o palco do lançamento da campanha “Consciência no Trânsito - um Pacto pela Vida” cujo objetivo é reduzir em 50% o número de acidentes de trânsito no Brasil até 2020. A iniciativa é uma parceria entre o Ministério das Cidades, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e o Instituto Emerson Fittipaldi.

A partir desse final de semana, será produzido um filme publicitário que terá o ex-piloto como garoto-propaganda da ação. As peças vão reforçar no público a necessidade de respeitar as leis de trânsito no país. Segundo dados divulgados, cerca de 48 mil brasileiros morreram por conta de acidentes no trânsito e outras 500 mil pessoas foram hospitalizadas.

“Como embaixador e porta-voz dessa iniciativa pretendo trabalhar junto à FIA para trazer as informações e o aprendizado de outros países para o Brasil”, afirma Emerson Fittipaldi.

Até o final do ano, serão investidos mais de R$ 1 milhão nas ações, que contam com o apoio da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Petrobras. “Não será uma campanha pontual e sim permanente pelos próximos anos”, diz Aguinaldo Ribeiro, ministro das Cidades.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico