Tamanho do texto

Empresa fechou contrato para fornecimento de subestações secundárias para a Vale

O presidente da ABB Brasil, Sergio Gomes, está otimista quanto ao desempenho da empresa este ano. No comando das operações locais da companhia que atua na área de energia e automação, o executivo comemora os contratos fechados no ano que somam valores acima de US$ 300 milhões.

Entre eles, a menina dos olhos da empresa é a participação no projeto S11D da Vale, considerado pela mineradora o maior projeto da indústria de minério de ferro. “Vamos implantar mais de 50 subestações (instalação elétrica de alta potência, contendo equipamentos para transmissão e distribuição de energia) secundárias em eletrocentros”, afirmou Gomes ao BRASIL ECONÔMICO. O serviço é avaliado em US$ 140 milhões.

Entre os projetos fechados nos últimos meses estão o fornecimento de sistemas de automação para Eletrosul, Cemig, Petrobras, além da tecnologia de um robô de solda para a Renault e a modernização do sistema de energia da CPTM das linhas 8 — Diamante e 9 — Esmeralda.

De acordo com o executivo, o Brasil já ocupa o sétimo lugar de participação da empresa, que atualmente está presente em 100 países. “Estamos com perspectivas positivas para o país e por isso seguimos com a intenção de investir US$ 200 milhões no Brasil até 2015”, destacou.

Entre os projetos já iniciados com o aporte previsto está uma nova unidade fabril em Sorocaba, que deve estar com toda a linha de produção disponível a partir do segundo semestre de 2013. “Estamos trazendo novas linhas que antes não fabricávamos no Brasil: motores e geradores, acionamentos e interruptores e tomadas”, afirmou o executivo.

Mesmo sem revelar o aporte feito na planta, Gomes garante que a empresa ainda tem dinheiro em caixa para realizar mais investimentos nos próximos anos. “Com a planta vamos expandir nossa atuação em conteúdo local e assim tornar o produto mais competitivo, principalmente na área de petroquímica.”

Com a nova unidade a empresa, que atingiu faturamento mundial de US$ 38 bilhões em 2011, agora soma cinco fábricas no Brasil, onde já produz produtos de alta e média tensão, automação, robótica e subestações de energia.

Óleo e gás

De acordo com Sandy Taylor, presidente mundial da unidade de óleo, gás e petroquímica da ABB, o Brasil é considerado como “um mercado em crescimento”. Para atingir as demandas mundiais do setor, o executivo informou que nos últimos três anos, a companhia já investiu cerca de US$ 10 bilhões para preencher lacunas. “Vamos continuar fazendo aquisições para crescer dentro desse segmento”, avaliou.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico