Tamanho do texto

Fábrica inaugurada nesta quarta-feira em Extrema (MG) terá capacidade para fazer 500 mil refrigeradores por ano, além de 300 mil máquinas de lavar

Nova fábrica pode produzir 500 mil refrigeradores ao ano e promete baixa emissão de CO2
Divulgação
Nova fábrica pode produzir 500 mil refrigeradores ao ano e promete baixa emissão de CO2

Nesta quarta-feira (12), a Panasonic inaugurou sua primeira fábrica de linha branca no Brasil. Localizada em Extrema, no sul de Minas Gerais, a unidade corresponde a um investimento de R$ 200 milhões.

Leia também:  Próxima de prejuízo recorde, Panasonic escolhe novo presidente

A companhia já possui duas outras unidades fabris no país: uma em São José dos Campos (SP) e outra e Manaus (AM). Até agora, só eram produzidos por aqui eletrônicos de menor porte como câmeras fotográficas, televisores, pilhas e baterias. Em Extrema, serão produzidos principalmente refrigeradores, micro-ondas e máquinas de lavar.

Veja mais:  Sony e Panasonic fecham acordo para TV com tecnologia OLED

O objetivo da companhia é atingir 10% de participação no mercado nacional de refrigeradores e lavadoras, por isso a nova fábrica poderá expandir sua capacidade produtiva após o início da operação. “Vai depender da demanda do mercado, estamos otimistas com o crescimento da classe C nos últimos anos. Mas já temos capacidade para produzir 500 mil refrigeradores”, diz Hirotaka Murakami, presidente da Panasonic do Brasil.

A fábrica ocupa uma área de 170 mil m², mas com apenas 47mil m² construídos. A unidade de Extrema faz parte da política Eco Ideas da Panasonic. Durante o processo produtivo, haverá reutilização da água da chuva, reciclagem de materiais descartados e redução na emissão de CO2. “Pretendemos ser a empresa número um em tecnologia verde da indústria de eletrônicos até 2018”, diz Sergei Epof, gerente de produtos de linha branca no Brasil.

As fábricas verdes parecem fazer sucesso no Brasil, muitas empresas estão investindo em processos ecologicamente corretos com a certeza de que o retorno virá, e será rápido. Além da economia durante a produção (em Extrema, por exemplo, o consumo de água será 30% menor e a economia de energia será de 20%), a sustentabilidade conquista consumidores.

Segundo Renata Assis, gerente de marca da Panasonic, 49% dos consumidores consideram importante haver preocupação ecológica nas empresas e 72% acreditam que o meio-ambiente é mais importante do que a economia.

O principal produto da unidade será o refrigerador NR-BB51P, o primeiro da companhia a ser totalmente produzido no Brasil. “A tecnologia é japonesa, mas o projeto foi feito com base no consumidor brasileiro”, diz Epof. Ele já estará à venda no próximo mês e custará de R$ 2.899 a R$3.099. No mercado brasileiro, a Panasonic participa com produtos de maior valor agregado.

Até 2015, serão 36 produtos da linha branca produzidos em Extrema. Por enquanto, serão produzidas apenas 30 mil unidades do NR-BB51P, mas em três anos a Panasonic espera alcançar 500 mil refrigeradores e 300 mil lavadoras, esse também é o prazo máximo que obter retorno integral do investimento.

A Panasonic é líder mundial na fabricação de eletrônicos, no ano passado suas vendas líquidas somaram 7,8 bilhões de ienes.