Tamanho do texto

Fabricante anuncia o primeiro celular com tecnologia 4G do Brasil e traça estratégia de focar em smartphones e diminuir o número de modelos produzidos no país

A Motorola Mobility fez ontem seu primeiro lançamento no Brasil após a compra pelo Google, em agosto de 2011. O anúncio do smartphone Razr HD, o primeiro com tecnologia 4G a ser lançado no país, marca o início de uma nova estratégia da fabricante, que planeja reduzir seu portfólio, com foco nos dispositivos com sistema operacional Android.

Atualmente, a empresa fabrica cerca de 15 modelos de celular em Jaguariúna, interior de São Paulo, mas já chegou a ter 30, segundo Sergio Buniac, vice-presidente da empresa. Agora, a empresa prepara mais uma redução com o objetivo de “otimizar a produção e ser mais competitiva”, diz. “Vamos ter mais foco e voltar a investir agressivamente no mercado”, afirma Buniac, que não abre qual será o número de modelos disponíveis com a redução.

Hoje, a Motorola tem pouco mais de 2% do mercado global de telefones móveis e passa por um processo de reestruturação global que inclui corte de quatro mil funcionários. E a política mundial de demissões, instituída pelo Google em agosto deste ano, já respingou no Brasil.

A empresa vai dispensar 220 funcionários da fábrica de Jaguariúna, no interior de São Paulo, até outubro, o que representa 8,5% do total de funcionários da fábrica. Segundo Buniac, quem dirá se haverá ou não novos cortes na fábrica será o mercado. Mas ele está otimista: espera crescimento de 40% no mercado de smartphones no segundo semestre do ano, e diz que a Motorola deve acompanhar o aumento.

“O Brasil foi um dos três países menos afetados pelos cortes de funcionários no mundo”, afirma Buniac. O próprio presidente mundial da Motorola, Sanjay Jha, já afirmou publicamente que o Brasil está entre as três principais prioridades da corporação. Mundialmente, no entanto, a Motorola tem registrado prejuízo em 14 dos 16 últimos trimestres, e sofre com a forte concorrência de empresas como Apple e Samsung.

Tecnologia 4G

Neste cenário, o Google vinha mantendo discrição sobre o futuro da fabricante, até anunciar os primeiros passos da tentativa de recuperação da companhia. E o lançamento do Razr HD faz parte destes planos. Segundo Buniac, um em cada três aparelhos com 4G vendidos nos Estados Unidos, é da Motorola.

O smartphone será disponibilizado no Brasil em outubro deste ano por R$ 2 mil nos planos pré-pagos, e é uma das apostas para bater de frente com as líderes de mercado. O aparelho é o primeiro a ser compatível com as redes de 4G, que começam a chegar no país. As operadoras que venceram o leilão da Agência Nacional de Telecomunicações têm até abril do ano que vem para ter cobertura nas seis cidades-sede da Copa das Confederações.

A Claro, por exemplo, já tem feito testes nas cidades de Campos do Jordão (SP), Búzios (RJ) e Parati (RJ). “O objetivo é que os clientes comecem a experimentar a tecnologia”, diz Carlos Zenteno, presidente da operadora. Segundo ele, a Claro vai vender o Razr HD por R$ 999 no plano 400 ilimitado.

A operadora já fechou parceria com duas fabricantes de equipamentos para as redes 4G. Na região Centro Oeste a fornecedora será a Hwauei, enquanto nos estados do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo a parceira será a Ericsson.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico