Tamanho do texto

Companhia precisa levantar quase US$700 milhões para pagar credores e sair do estado de falência

A Eastman Kodak cortará mais mil postos de trabalho até o fim deste ano e pode demitir ainda mais, na medida em que se foca nos segmentos de embalagens e impressão.

A companhia, que inventou a câmera digital mas teve dificuldades para se ajustar à era digital, já reduziu o quadro de funcionários em cerca de 2,7 mil funcionários no mundo desde o começo de 2012.

A Kodak também informou que o vice-presidente operacional Philip Faraci e a vice-presidente financeira Antoinette McCorvey deixarão a companhia, que em janeiro entrou em proteção contra credores.

A companhia, que precisa levantar quase US$700 milhões para pagar credores e sair do estado de falência, nomeou Rebecca Roof para vice-presidente financeira interina.

A Kodak prevê economizar cerca de US$330 milhões com os novos cortes de postos de trabalho.