Tamanho do texto

A pouco tempo de grandes eventos globais, os hoteis brasileiros ainda apresentam diárias excessivamente caras, reduzido número de leitos e acomodações de baixa qualidade

A menos de um ano do início da Copa das Confederações, dois anos da Copa do Mundo e quatro dos Jogos Olímpicos, os preços de hospedagem no Brasil já subiram tanto que se aproximam dos valores pagos nos principais destinos turísticos do mundo. De acordo com um levantamento realizado pelo grupo Hoteis.com, o preço médio de uma diária no Rio custa apenas R$18 a menos do que em Paris. Para dormir uma noite na capital carioca é preciso desembolsar R$374 (14% a mais em comparação com o mesmo período em 2011), enquanto na capital francesa a média é de R$392 (15% a mais do que no ano passado).

Segundo a pesquisa, a média de preço dos hotéis no Rio de Janeiro é a 10ª mais cara do mundo
Fonte: Hoteis.com
Segundo a pesquisa, a média de preço dos hotéis no Rio de Janeiro é a 10ª mais cara do mundo

O estudo avaliou o preço que os turistas pagaram por quartos de hotel em todo o mundo durante o primeiro semestre de 2012. 

A situação do Rio de Janeiro para os Jogos de 2016 é sem dúvida a mais preocupante. Segundo o IBGE, a cidade tem, ao todo, 31.594 quartos de hoteis e outros estabelecimentos de hospedagem e 45.416 leitos. Porém, estima-se que entre atletas, imprensa, organizadores e turistas, a capital fluminense receba 380 mil pessoas durante o mês dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos.

“A Rio+20 mostrou que a cidade ainda não está pronta, os hotéis cariocas já trabalham com 92% de ocupação, estão no limite de sua capacidade”, diz Carolina Piber, diretora de marketing da Hoteis.com. “É difícil corrigir isso de um ano para outro, são necessários anos de antecedência, agora temos que tentar fazer o melhor”.

Leia também: Accor planeja construir 20 hotéis no Rio até 2016

Outro problema do setor hoteleiro do Brasil é a concentração de leitos. São Paulo e Rio de Janeiro juntas têm 32% de todos os leitos disponíveis no país. Para um evento como a Copa do Mundo, que será disputada em 12 cidades em um território com dimensões continentais, a má distribuição da rede hoteleira pode se tornar um problema grave. Isso sem contar que, para o evento, são esperados cerca de 500 mil turistas, e as 12 cidades sede possuem juntas a capacidade de hospedar apenas 278.138 pessoas.

Para Piber, pode existir no Brasil um movimento semelhante ao que aconteceu em Londres durante os Jogos Olímpicos desse ano. “No início, houve especulação e o preço das diárias subiu muito, mas perto dos Jogos, os hoteis abaixaram suas taxas porque não tinham preenchido todas as vagas”.

Em Londres, o aumento no preço de hotéis chegou a 119% durante o mês de janeiro, mas ao fim dos Jogos o aumento final de todas as reservas realizadas foi de £ 146, ou 31% em comparação com o mesmo período do ano passado. Hoje, a oferta de hotéis na cidade teve um incremento de mais de 12 mil quartos, totalizando 140 mil acomodações.

O preço do Club Sandwich indica que o Brasil é o 8º país com serviços mais caros
Hoteis.com
O preço do Club Sandwich indica que o Brasil é o 8º país com serviços mais caros

Além da falta de quartos, o setor hoteleiro do país ainda apresenta baixa qualidade. “É possível que para suprir a demanda elevada, as pessoas procurem hospedagens alternativas, como hostels que não exigem a mesma estrutura complexa de um hotel”, diz Piber. Segundo o IBGE, 60,8% dos estabelecimentos de hospedagem no Brasil são das categorias econômicas (37,6%) e simples (23,2%).

Um hotel cinco estrelas, além de difícil de ser encontrado, pode surpreender pelo preço até mesmo aqueles que já estão acostumados a deixar pequenas fortunas nos halls de entrada. O preço médio pago por noite em um hotel da categoria no Rio é de R$1.085, quase o dobro de um cinco estrelas em Santiago (R$ 560). No Rio, R$ 300 são suficientes apenas para um hotel duas estrelas. Em outras cidades do mundo, como Madri, Las Vegas e Buenos Aires, a quantia é suficiente para um de quatro estrelas.

“A hospedagem no Brasil não é barata, se você observar nosso estudo, vai perceber que destinos como a Europa têm compensado mais”, diz Piber. A falta de hotéis e a especulação no preço das diárias andam de mãos dadas. “É a lei natural da demanda e oferta”.

O Brasil também está entre os 10 países com maiores custos durante a hospedagem. O estudo avaliou o preço do clássico sanduíche de frango, bacon, ovo, alface e maionese (Club Sandwich), disponível em diversos hotéis ao redor do mundo, para medir a acessibilidade dos preços. Em oitavo lugar, o sanduíche brasileiro custa em média R$31,84, mais caro do que nos Estados Unidos, Espanha, Itália, Canadá e Argentina, por exemplo.