Tamanho do texto

A empresa apresentou estudo feito com 80 especialistas durante evento paralelo a Rio+20

A Siemens apresentou nesta segunda-feira (18), durante a Cúpula Urbana, no Forte de Copacabana, na Zona Sul da cidade, evento paralelo a Rio+20 , o estudo "Picture of the Future Rio 2030-2040" (Retratos do Futuro Rio 2030-2040), pesquisa inédita feita por 80 especialistas de diversos setores sobre como será a cidade do Rio de Janeiro daqui a duas décadas. Algumas das conclusões deste estudo, no entanto, somente serão apresentadas na íntegra em novembro.

Saiba tudo sobre a Rio+20

De acordo com o estudo, se medidas corretas forem aplicadas na área de educação, saúde, infraestrutura e estímulo para o desenvolvimento econômico, em 2030 o Rio pode se tornar a capital latino-americana do turismo de negócios e pesquisa de alta tecnologia e centro de desenvolvimento. “O Rio tem todos os elementos necessários para se tornar um verdadeiro símbolo do desenvolvimento sustentável no hemisfério sul. Por isso, ela é a primeira cidade onde fazemos uma análise deste tipo. Queremos que nosso estudo integre o plano diretor da cidade”, afirmou Paulo Stark, presidente e CEO da Siemens Brazil.

O estudo acredita que a cidade deve superar alguns desafios para alcançar um futuro melhor e sustentável, especialmente na área de transporte, segurança e educação. Entre as principais tendências encontradas, estão as de que as novas tecnologias no transporte podem ajudar o Rio e São Paulo a formar um poderoso cluster regional e promover uma inclusão social. “Temos de reduzir o número de veículos particulares e a única forma disto acontecer é termos transportes públicos que as pessoas queiram usar. A modernização e ampliação dos meios já existentes e o estímulo de transportes individuais elétricos, como as bicicletas, é um bom caminho”, afirmou Stark.

No que diz respeito à segurança, o estudo afirma que a pacificação das comunidades permite que uma grande parte da população, que estava praticamente excluída dos benefícios da presença do Estado, possa usufruir de programas sociais e que, com isso, haja inclusão social.

Já na educação, o estudo avalia que o Rio de Janeiro enfrenta escassez de mão de obra altamente qualificada. “Ao mesmo tempo, os salários para os inúmeros trabalhadores pouco qualificados são muito baixos. Temos de tornar a educação amplamente disponível”, analisou Stark.

Ainda de acordo com o CEO a inclusão social é a chave para tornar o Rio uma cidade para todos os seus habitantes. “O Rio está em um bom caminho para superar esses desafios. Com uma combinação de políticas corretas e tecnologias adequadas, a cidade será exemplo para outras cidades de países em desenvolvimentos e emergentes. Esse será, provavelmente, o primeiro dos estudos que faremos em outras cidades do mundo”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.