Tamanho do texto

Segundo o empresário, as companhias têm mais poder para promover ações sustentáveis do que o setor público

O empresário Eike Batista, presidente do Grupo EBX, afirmou que o setor empresarial deve ser responsável por enxergar as vocações naturais da região em que atua e agir com sustentabilidade. Segundo o empresário, as companhias têm mais poder para promover a sustentabilidade do que o setor público. "Eu tenho que ser responsável porque não enxergo no poder público a capacidade de enxergar as vocações naturais da região", disse Batista, durante evento na sede do Grupo EBX, no centro do Rio de Janeiro.

MaisEike Batista planeja vender 49% da AUX por US$ 2 bilhões

De acordo com o empresário, como os governos ficam no poder por apenas quatro anos, acabam tendo mais projetos de curto prazo. "O negócio são as empresas abdicarem de parte do lucro e dedicarem a esse conceito sustentável", disse Batista. "Não adianta você ter uma fábrica e, em volta de você, uma favela. Concorda?", questionou.

Durante o evento, Eike divulgou a implantação de um projeto sustentável no município de São João da Barra, região norte do Rio, onde o grupo está construindo o Porto do Açu. Em parceria com o Instituto Bioatlântica (Ibio), está em andamento no local a Gestão Integrada do Território (GIT). O projeto envolve poder público, empresas, organizações da sociedade civil, instituições de educação e lideranças regionais na construção de soluções sustentáveis para o desenvolvimento da cidade e entorno.

TambémEike nega interesse pela compra do controle da CSA

"Coisas que começam do zero são mais fáceis de desenhar no estado da arte dos conceitos", afirmou Eike. O diretor de sustentabilidade do Grupo EBX, Paulo Monteiro, afirmou que já foram investidos R$ 150 milhões na implantação deste projeto na região, desde o início da construção, em 2006.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.