Tamanho do texto

Kevin Efrusy, sócio da Accel que liderou o investimento inicial de US$ 12,7 milhões na empresa de Mark  Zuckeberg em 2005 tem feito vários investimentos no País

Um dos primeiros investidores do Facebook voltou suas atenções para um mercado menor, mas inspirador: o Brasil.

Kevin Efrusy, sócio da Accel que liderou o investimento inicial de US$ 12,7 milhões no Facebook em 2005, realizou vários novos investimentos no Brasil ao longo no ano passado.

Efrusy, que se recusou a ser entrevistado para esta matéria, é talvez o mais ambicioso de um crescente número de empreendedores dos Estados Unidos vendo oportunidades num país com grande população, classe média crescendo aceleradamente grande potencial de crescimento e estabilidade política.

Veja também:  Investidor do Facebook apoia marca que venderá calçado por assinatura

Ex-velejador Pierre Schurmann investe em sete empresas "novatas" no an o

A Redpoint Ventures e o BV Capital criaram uma empresa sediada em São Paulo, a Redpoint eVentures, mais cedo neste ano. A Benchmark Capital e a General Atlantic investiram no Peixe Urbano, site de ofertas ao estilo Groupon. A Insight Venture investiu em várias empresas brasileiras, incluindo o site de desconto em viagens Hotel Urbano e, junto à Accel, no site de vendas de artesanatos Elo7.

"O investimento em capital de risco é um mercado nascente no Brasil, e a tendência é que ele salte rapidamente de milhões para bilhões", disse o administrador da Atomico, um fundo de investimentos criado pelo co-fundador do Skype Niklas Zennstrom, Haroldo Korte.

Ainda há vários obstáculos. A economia brasileira quase não tem crescido em trimestres recentes, e negócios nascentes têm de lidar com altos impostos, acesso relativamente limitado a financiamento e ausência de programas organizados para fomentar o empreendedorismo. Empreendedores com aspirações regionais precisam trabalhar em espanhol, além do português.

Leia mais:  Fundo investe R$ 35 milhões em startups cariocas

Há muitas barreiras culturais, também. O fracasso carrega um estigma maior no Brasil do que nos EUA, fazendo com que os empreendedores sejam menos agressivos, disse um dos sócios do Arpex Capital em São Paulo, Ted Rogers. A comunidade de engenheiros, desenvolvedores e empreendedores experientes também é pequena, embora talvez esteja crescendo.

E o Brasil ainda não experimentou uma saída de grandes proporções a partir de capital de investimentos por meio da oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) ou de uma venda. Talvez o mais próximo disso no setor tenha sido a venda do Buscapé em 2009, site de comparação de preços, à empresa sul-africana Naspers por 340 milhões de dólares.

Mas investidores esperam que o crescente mercado de consumo no Brasil possa produzir bons negócios em breve. Brasileiros já gastam cerca de US$ 10 bilhões por ano online, e investidores acreditam que há bastante espaço para crescimento: apenas 40% da população tem acesso à internet, comparado ao dobro nos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.