Tamanho do texto

Companhia receberá aporte de R$ 800 milhões

O conselho de administração da PDG aprovou proposta, feita pela Vinci Partners, de aporte de R$ 799,9 milhões, em reunião realizada na sexta feira. "Se avizinha um cenário possivelmente adverso de crédito com sinais de desaceleração da economia brasileira, o que deve requerer uma posição mais conservadora na gestão financeira da companhia", afirmou a PDG, em fato relevante, ao explicar a posição favorável em relação à operação.

Vinci Partners propõe aporte na PDG Realty

PDG tem lucro líquido 86% menor no trimestre

Segundo o documento, a companhia avalia que uma capitalização neste momento favorecerá fortemente a empresa, proporcionando uma posição de caixa mais robusta, melhoria da estrutura de capital, com base em uma matriz de recursos mais adequada.

Em reunião do conselho, a PDG propôs para a Vinci Partners a mudança de dois anos para quatro anos no prazo para a empresa manter as novas ações que vier a subscrever.

A ampliação do período, aceito pela Vinci, foi estendido também para as debêntures. De acordo com o fato relevante, isso foi feito com o objetivo de "maior alinhamento de interesses de longo prazo entre a proposta da Vinci e os interesses da companhia".

A PDG convocará assembleia geral para a deliberação sobre o aporte, com aumento do capital da PDG em 400 milhões de ações, e a criação de comitês consultivos de governança e estratégia, auditoria e risco e extensão do comitê de remuneração.

No fim de maio a PDG recebeu, da Vinci, a proposta de aporte, mediante emissão privada de 199 milhões de bônus de subscrição. Cada bônus dará ao seu titular o direito de subscrever uma nova ação da PDG Realty e uma debênture conversível em uma ação da companhia.

Os títulos seriam emitidos privadamente em operação de aumento de capital social, implementado imediatamente após a aquisição dos bônus.

A Vinci Partners já havia informado que se compromete a adquirir 81,4% dos bônus, no montante de até R$ 648 milhões, desde que consiga obter o mínimo de R$ 436 milhões, correspondentes a 109 milhões dos títulos, representativos de 54,8% do volume total, após a primeira rodada de sobras.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.