Tamanho do texto

Fundador da rede social mais popular da Rússia, Pavel Dúrov, copiou o Facebook e para aplacar o tédio jogou aviões feitos de dinheiro pela janela de seu escritório

Pavel Dúrov, uma espécie de clone russo do fundador do Facebook
Getty Images
Pavel Dúrov, uma espécie de clone russo do fundador do Facebook
O fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, nunca foi muito afeito a grandes extravagâncias. Após uma vida de solteiro para lá monótona, no início do mês, um dia após o seu agora multibilionário Facebook estrear na Nasdaq, casou-se no quintal de casa com a garota que conheceu na Universidade de Harvard há 10 anos.

Enquanto Zuckerberg vive uma frugal lua de mel na Europa, Pavel Dúrov, uma espécie de clone russo do fundador do Facebook, tem mostrado que nem tudo está perdido para as revistas de celebridades quando o assunto é jovens milionários donos de redes sociais. Criador e presidente da Vkontakte, uma espécie de Facebook eslavo com quase 300 milhões de usuários nos países da antiga União Soviética, Dúrov tem se saído bem na tarefa de construir uma imagem de milionário excêntrico.

No último domingo, por exemplo, ele e o vice-presidente da Vkontakte, Ilya Perekopsky, decidiram aplacar o tédio russo jogando aviões feitos de dinheiro pela janela de um edifício na região central de São Petersburgo. Essa foi a maneira que a dupla encontrou para celebrar o “Dia da Cidade”, eles jogaram aviões feitos com notas de 5 mil rublos (o equivalente a US$ 160) para uma multidão que se formou em frente ao escritório da rede social.

Leia também:  Ações do Facebook caem 10%, para abaixo de US$ 30

Enquanto centenas de pessoas engalfinhavam-se pelos aviões. Dúrov e Perekopsky divertiam-se filmando tudo.Mais tarde, em seu twitter, Dúrov explicou que queria criar uma “atmosfera festiva”, mas teve que parar de jogar os aviõezinhos porque “as pessoas se transformaram em animais”. Ao todo, os jovens lançaram cerca de US$ 2 mil.

Dúrov possui uma fortuna estimada em 7,9 bilhões de rublos (US$ 260 milhões) e detém 20% da Vkontakte. A rede social, que em português significa “em contato”, foi criada em 2006 e hoje tem cerca de 290 milhões de usuários.

Um clone do Facebook, a rede russa tem os mesmos design e funcionalidade da americana. A interface, porém, atraiu muitos seguidores no país por utilizar a língua nativa e possuir uma política de livre compartilhamento de música e filmes. Em janeiro desse ano, a gravadora Russian Gala Records ganhou uma ação 210.000 rublos ( cerca de US$ 7 mil) contra a Vkontakte por infração a direitos autorais. Há estimativas que 70% de todo o tráfego de conteúdos ilegais na Rússia passe pela rede social.

Perfil de Pavel Dúrov na Vkontakte: layout idêntico ao do Facebook
Getty Images
Perfil de Pavel Dúrov na Vkontakte: layout idêntico ao do Facebook

As redes são tão parecidas quanto as histórias de Zuckerberg e Dúrov. Alguns dias antes do IPO do Facebook, Dúrov ganhou o poder de voto do maior investidor da Vkontakte, o grupo Mail.ru. Na prática, Dúrov tem controle pleno da companhia, situação semelhante a que Zuckerberg teve com o investidor Digital Sky Technologies (DST). Aliás, tanto a Mail.ru quanto a DST são controladas pelo mesmo acionista bilionário: Alisher Usmanov.

Assim como fez o criador do Facebook, Dúrov tinha planos de abrir o capital da sua empresa. Mas, recentemente afirmou o adiamento indefinido do IPO da Vkontakte. “O IPO do Facebook destruiu a fé de muitos investidores provados nas redes sociais”diz.

Leia também:  Frustração com IPO do Facebook trava lançamentos

Essa não foi a primeira vez que Dúrov esteve sob os holofotes da mídia. Suas atividades políticas já chamaram muita atenção. Desde dezembro, o jovem milionário tem sido uma das estrelas nos protestos contra o presidente russo Vladimir Putin.

Ainda em 2011, o Serviço de Segurança Federal da Rússia exigiu o fechamento de diversos grupos anti-Putin na rede social, mas Dúrov não fechou os grupos e respondeu à exigência com um tweet incluindo a foto de um pastor alemão vestindo um capuz com a língua de fora.

A partir de então, o twitter se tornou a ferramenta preferida do Zuckerberg russo para manifestações políticas. No dia 9 de maio, ele escreveu outro tweet, dessa vez afirmando que as pessoas que comemoravam o 67° aniversário da Rússia, na verdade celebravam o fato de que “há 67 anos Stálin ganhou de Hitler o direito de vitimizar a população soviética”. O caso provocou alguns russos de destaque, como o parlamentar Nikolai Valuyev que cancelou seu perfil na Vkontakte.

Há uma semana, Dúrov também publicou um manifesto político com 10 pontos, sugerindo formas de transformar a Rússia em um país próspero. Entre as medidas estavam a eliminação dos impostos e restrições relacionados à informação, a isenção de impostos para a população, a substituição do rublo e a permissão para que estrangeiros pudessem alugar territórios russos e criar mini-estados.

*Com agências internacionais.

    Leia tudo sobre: facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.