Tamanho do texto

Ministro do Planejamento da Argentina se reunirá nesta sexta-feira com Maria das Graças Foster e Edison Lobão em Brasília

selo

Quatro dias após o anúncio da expropriação da petrolífera Repsol-YPF, o ministro do Planejamento da Argentina, Julio de Vido, se reúne nesta sexta-feira em Brasília com representantes do governo em busca de investimentos da Petrobras no país. A falta de investimentos foi o principal argumento usado pela presidente Cristina Kirchner para justificar, na última segunda-feira, o anúncio da expropriação de 51% da companhia.

A agenda De Vido prevê um encontro com a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, e com o ministro de Energia, Edison Lobão. Do lado argentino, a previsão é que, além de De Vido, também estejam presentes o secretário de Energia da Argentina, Daniel Cameron, e outros assessores.

O encontro foi marcado durante visita de Lobão à Buenos Aires, no início de março, quando já eram fortes as indicações de que haveria um rompimento entre o governo argentino e a Repsol (que possui 56% da YPF). Na ocasião, a presidente convidou Lobão para uma conversa na Casa Rosada, sede da Presidência, segundo contou o ministro brasileiro, para pedir a "maior presença da Petrobras no país".

"A presidente pediu uma presença mais forte, mais intensa da Petrobras aqui (na Argentina) e presença mais forte tem que ser com investimentos", disse o ministro brasileiro.

Repsol

Durante o encontro em março foi marcada a reunião desta sexta-feira em Brasília, de acordo com assessores de ambos os países. Os dois governos evitaram dizer, porém, que a Repsol será um dos temas da reunião. Ao mesmo tempo, em uma entrevista em Brasília, Lobão afirmou que o Brasil não tem motivos para se preocupar.

"Eu não tenho nenhuma preocupação quanto a uma possibilidade de encampação da Petrobras na Argentina. Eu e o ministro De Vido conversaremos sobre diversos interesses do Brasil e da Argentina", disse Lobão. Segundo ele, o governo brasileiro tem uma "relação da melhor qualidade com a Argentina".

"Não há nenhum sinal de que a Argentina tente ou deseje encampar a Petrobras da Argentina, ou coisa do gênero. Dir-se-á: mas houve um episódio recente. O episódio não depende do governo federal da Argentina, e sim do governo estadual", afirmou.

Recentemente, o governo da província de Neuquén, na Patagônia, decretou o cancelamento da concessão de exploração de três campos de petróleo, um deles, chamado de "Veta Escondida", pertencente à Petrobras.

Assessores do governo neuquino disseram à BBCBrasil que "a situação está resolvida" e "já não há problemas com a Petrobras" porque, de acordo com eles, "é uma empresa que queremos na nossa província".

Modelo e parceria

Segundo analistas argentinos ouvidos pela BBC Brasil, a expectativa é de que a Petrobras não seja afetada por possíveis iniciativas de cunho nacionalista da administração de Cristina Kirchner.

Ao anunciar a expropriação da petrolífera Repsol-YPF, a presidente citou o Brasil como modelo de inspiração para a criação da "nova YPF", como a empresa vem sendo chamada. "Em vários países do mundo, o Estado tem a maioria acionária das petrolíferas. (É o) Caso do México, da Venezuela e da Bolívia. E nós observamos o modelo do Brasil. Eu defendo a entrada da Venezuela para o Mercosul porque assim fecharíamos um arco energético", disse.

Os especialistas também observaram que o Brasil é hoje o principal destino das exportações argentinas. "Acho pouco provável, portanto, que a Argentina compre briga com seu parceiro comercial mais importante", disse Jean Paul Prates, diretor-geral do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE) e ex-secretário de energia do Rio Grande do Norte.

Apoio

Na última segunda-feira, Cristina assinou um decreto realizando uma intervenção na Repsol-YPF e enviou um projeto de lei ao Congresso Nacional sugerindo a expropriação da companhia.

A medida gerou fortes críticas do governo espanhol e de organismos internacionais, como o Banco Mundial. "Acho que é um erro", disse o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick. Mas a nacionalização recebeu apoio de diferentes setores, como de opositores no Congresso, do ex-ministro da Economia, Roberto Lavagna, do presidente da Sociedade Rural Argentina, Hugo Biolcati, e de movimentos sociais.

A medida foi vista amplamente como uma iniciativa do governo para que o país tome as rédeas sobre o controle de seu petróleo e gás.