Tamanho do texto

Província de Neuquén suspendeu no início do mês a concessão da área alegando que a empresa não fez investimentos suficientes

A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, terá na próxima sexta-feira uma reunião "decisiva" com representante do governo da Argentina para discutir a recente cassação da concessão de uma área operada pela estatal brasileira no país vizinho.

A província de Neuquén, maior produtora de gás natural da Argentina, suspendeu no início do mês a concessão da área argumentando que a empresa não fez investimentos suficientes para aumentar a produção.

Argentina decide nacionalizar YPF e estremece relação com Espanha

Expropriação da YPF tenta esconder crise, diz Repsol

Nesta terça-feira, durante palestra no Rio de Janeiro, a presidente da Petrobras reafirmou que foi surpreendida pela decisão da província, e destacou que a estatal cumpriu o plano mínimo de desenvolvimento da área.

Presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster: reunião com argentinos na sexta
AE/FABIO MOTTA
Presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster: reunião com argentinos na sexta
A decisão foi tomada num momento em que as autoridades argentinas buscam um maior investimento das empresas petrolíferas que operam no país, cujo declínio da produção nos últimos anos obrigou o governo a fazer milhões de dólares em importações, que acabaram por minar a sua balança comercial.

A reunião, segundo a executiva, estava previamente agendada, e não tem relação com o anúncio da expropriação pela Argentina da YPF, companhia petrolífera do país vizinho controlada pela espanhola Repsol.

A assessoria de imprensa da Petrobras não confirmou imediatamente o local da reunião. Mas segundo o Ministério de Minas e Energia o encontro será no Brasil.

Graça Foster, como ela prefere ser chamada, vai se encontrar primeiramente com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e posteriormente com uma autoridade da área energética da Argentina.

"Não creio que haja qualquer problema com a Petrobras na Argentina... Não tenho nenhum temor... Seguiremos na normalidade", disse o ministro Lobão, ao ser questionado por jornalistas na saída do Senado.