Tamanho do texto

São Paulo, 10 mai (EFE).- Um grupo formado por dez empresas dos setores aeronáutico, aéreo e de desenvolvimento de combustíveis criou a Aliança Brasileira para Biocombustíveis de Aviação (Abraba), que promoverá o uso desta fonte de energia, informou hoje a Embraer.

São Paulo, 10 mai (EFE).- Um grupo formado por dez empresas dos setores aeronáutico, aéreo e de desenvolvimento de combustíveis criou a Aliança Brasileira para Biocombustíveis de Aviação (Abraba), que promoverá o uso desta fonte de energia, informou hoje a Embraer. A aliança, aberta a outras empresas, tem o objetivo de "promover iniciativas públicas e privadas que busquem o desenvolvimento e a certificação de biocombustíveis sustentáveis para a aviação; (...) por meio de diálogos com criadores de políticas públicas" e de formação de opinião, afirmou a companhia. A segurança, o custo dos biocombustíveis frente aos fósseis, a reconhecida capacidade do Brasil no setor de biocombustíveis e o impacto ambiental menor das fontes de energia renováveis foram os motivos considerados pelas empresas para formar a aliança, afirma um comunicado. A aviação civil produz aproximadamente 2% das emissões de dióxido de carbono (CO2), segundo dados do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças do Clima (IPCC, na sigla em inglês), das Nações Unidas. Na Abraba participam, além da Embraer, as companhias aéreas TAM, Gol, Azul e Trip, a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Única), a Algae Biotecnologia, a Amyris Brasil, a Associação Brasileira de Produtores de Pinhão Manso e a Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil. EFE wgm/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.