Tamanho do texto

O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão cresceu 1,2% no terceiro trimestre do ano, na comparação com os três meses imediatamente anteriores. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, a expansão chegou a 4,8%, informou o governo na manhã de hoje (horário local).

O ritmo é o maior desde 2007 e ficou bem acima das expectativas de analistas do mercado financeiro.

Foi o segundo trimestre consecutivo em que a economia do país asiático registrou crescimento, confirmando a saída da recessão. Os Estados Unidos e a União Europeia também já deixaram o ambiente recessivo para trás.

Na semana passada, o escritório de estatísticas da zona do euro informou que os 16 países que compõem a região se expandiram 0,4% em relação aos três meses anteriores. O crescimento da União Europeia (mais ampla, com 27 nações) foi mais modesto: 0,2%. Foi a primeira alta depois de cinco trimestres.

Os economistas consultados pela agência de notícias Dow Jones Newswires previam, em média, uma alta do PIB japonês de 0,6% na comparação com o segundo trimestre de 2009.

A economia japonesa foi uma das que mais sofreram com a crise internacional, pois depende muito das exportações, sobretudo para os Estados Unidos. A recente recessão no país foi a mais profunda desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

No segundo trimestre de 2009, o PIB japonês havia avançado 0,7% em relação aos três primeiros meses do ano, segundo dados revisados do centro de estatísticas do país.

Entre julho e setembro, as exportações líquidas cresceram 3,4% na comparação com o segundo trimestre, enquanto o consumo das famílias (responsável por 60% do PIB do país) aumentou 0,7%. Os investimentos avançaram 1,6%, segundo informou um comunicado emitido pelo escritório do primeiro ministro japonês, Yukio Hatoyama.

DEFLAÇÃO

Apesar do crescimento em termos reais (ou seja, descontados os efeitos da inflação), o PIB do Japão retrocedeu 0,3% no terceiro trimestre em termos nominais (na comparação com igual trimestre de 2008). Isso ocorreu por causa da deflação. Os índices de preços no Japão vêm registrando desempenho negativo há sete meses seguidos.

Em meados de outubro, o Banco do Japão (banco central do país) projetou três anos seguidos de deflação e afirmou que essa era a maior ameaça para a economia japonesa. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.