Tamanho do texto

Medida que gerou polêmica está sendo reavaliada, diz órgão que recolhe direito autoral

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) informou ao iG que a cobrança de blogueiros que usam vídeos do YouTube em suas postagens está suspensa, mas não descartada. "Neste momento a cobrança está sendo reavaliada", diz comunicado da assessoria de comunicação do órgão. "Os blogueiros não estão sendo cobrados", afirma a nota.

Na sexta-feira, o Ecad já havia recuado da polêmica decisão de cobrar blogueiros . Após críticas de advogados e do próprio YouTube , o escritório afirmou que a cobrança tinha sido um "erro isolado" . A mensagem, porém, não deixava claro se haveria ou não novas cobranças.

O Ecad é uma entidade privada, autorizada por lei a atuar na cobrança de direitos autorais. Há pouco mais de um ano, o órgão celebrou um acordo com o YouTube para que 2,5% da receita do site fosse destinada ao pagamento de artistas que têm obras protegidas veiculadas no site. Na última semana, a entidade enviou pedidos de cobrança mensal de R$ 352,59 a blogs que afirmam não possuir receita, devido à incorporação [ou embed ] de vídeos do YouTube em postagens.

Como reação, o YouTube disse que o Ecad não poderia fazer a cobrança . Advogados também criticaram a medida. "A grande maioria dos blogs não tem fins lucrativos e tem função de crítica cultural, de contribuir para a livre circulação de ideias – e aí a cobrança se mostra totalmente descabida", disse um advogado próximo ao escritório, ouvido pelo iG .

Segundo o escritório, em 2011, foram arrecadados e distribuídos R$ 2,6 milhões em direitos autorais por execução em mídias digitais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.