Tamanho do texto

O dólar comercial caiu quase 2% hoje e fechou as negociações no mercado interbancário de câmbio cotado a R$ 1,722 (-1,82%). Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar à vista também fechou o pregão a R$ 1,722 (-1,83%).

A retomada do apetite por risco em meio às boas notícias da China e à redução das preocupações com a dívida da Dubai World estimulou vendas da moeda norte-americana aqui e no exterior e um aumento da demanda por ações e commodities, como metais e petróleo. Esse ambiente favoreceu a defesa pelos bancos locais de suas "posições vendidas" (aposta na queda da taxa) em dólar futuro, o que ajudou a amparar o recuo das cotações do dólar negociado à vista, segundo operadores consultados.

O Banco Central realizou o leilão diário de compra de dólar das 14h50 às 15 horas e fixou a taxa de corte das propostas em R$ 1,7258. No entanto, a operação não conteve o declínio das cotações à vista, que renovaram as taxas mínimas logo em seguida.

Os dados da balança comercial brasileira em novembro já estavam na "conta do mercado e não fizeram preço", segundo um operador de tesouraria de um banco nacional. O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior informou que a balança registrou um superávit de US$ 615 milhões no mês passado (com exportações de US$ 12,653 bilhões e importações de US$ 12,038 bilhões) - uma queda de 62,4% ante o saldo de novembro do ano passado, quando a balança teve superávit de US$ 1,634 bilhão. Além disso, o saldo de novembro foi o segundo pior resultado do ano, perdendo apenas para janeiro, quando a balança teve déficit de US$ 529 milhões.

No mercado internacional, o anúncio ontem à noite da reestruturação da dívida do Dubai World - que adiará por seis meses o pagamento de cerca de US$ 26 bilhões, de uma dívida total de cerca de US$ 60 bilhões - e várias notícias favoráveis hoje trouxeram otimismo aos investidores. Em relação a Dubai, ficou mais claro para o mercado que não haverá um efeito dominó imediato da decisão do conglomerado de adiar pagamentos de dívida por cerca de seis meses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.