Tamanho do texto

Divulgação de preço-base do barril de petróleo faz disparar demanda pelos papéis da estatal na bolsa de valores

A definição pelo Governo brasileiro sobre o preço-base do barril de petróleo com os qual será garantida a multimilionária capitalização da Petrobras disparou hoje a demanda pelos papéis da empresa na bolsa de valores de São Paulo (Bovespa). Por causa da expectativa em torno da capitalização, as ações ordinárias e preferenciais da maior companhia recuaram nas últimas semanas e a demanda se manteve estagnada pela incerteza. Nesta quinta-feira, no meio do pregão, as ações da empresa eram responsáveis por cerca de 30% de todo o valor negociado no pregão paulista.

Enquanto o índice Ibovespa caía 0,78% no meio do pregão, as ações preferenciais da Petrobras, as mais negociadas hoje, subiam 1,07%. O forte interesse dos investidores pelos papéis foi provocado pelo anúncio na quarta-feira à noite de que o Governo cobrará US$ 8,51 por barril de petróleo em média para garantir uma oferta global de ações da empresa. O Estado assinará a capitalização mediante a cessão à Petrobras do direito de explorar as jazidas ainda não licitadas com reservas equivalentes a 5 bilhões de barris. Isso significa que o Governo dará até US$ 42,533 bilhões para manter a atual participação na Petrobras, que tem ações negociadas nas bolsas de São Paulo, Nova York, Madri e Buenos Aires.

A participação do Estado na companhia é de 32% do capital total (embora de mais de 50% das ações com direito a voto), que poderá elevar-se para 38% em caso de parte dos minoritários não participarem da capitalização. Em caso de o Estado decidir fornecer o máximo permitido, os acionistas minoritários teriam de injetar US$ 90,380 bilhões à companhia para conservar suas participações. A capitalização da Petrobras poderá ser uma das maiores do mundo. Os recursos servirão para financiar parte do ambicioso plano de investimentos da companhia até 2014, que chega aos US$ 224 bilhões. A captação será usada principalmente no chamado pré-sal, as gigantescas reservas que a Petrobras descobriu em águas profundas do oceano Atlântico.

Pelas previsões da empresa, a capitalização permitirá que a Petrobras cumpra a meta de aumentar sua produção dos atuais 2,5 milhões de barris diários de petróleo e gás equivalente para 3,9 milhões em 2014 e 5,4 milhões até 2020. O Governo, como acionista majoritário, tinha de definir o preço que a Petrobras pagaria pelos barris cedidos pelo Estado do valor mínimo de US$ 5 por barril, preço que defendiam os minoritários e as autoridades regulatórias, e o máximo de US$ 12 por barril, defendido pela direção da empresa. A direção da Petrobras se comprometeu a divulgar na sexta-feira um fato relevante com os detalhes definitivos da oferta de ações, que está prevista inicialmente em 30 de setembro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.