Tamanho do texto

Despesas líquidas do setor público com pagamento e apropriação de juros somaram R$ 18,8 bilhões no mês passado

As despesas líquidas do setor público com pagamento e apropriação de juros somaram R$ 18,797 bilhões no mês passado, elevando esses gastos a R$ 138,544 bilhões desde janeiro.

Com isso, as contas da União, dos Estados, dos municípios e das empresas estatais consideradas para efeitos de apuração de indicadores fiscais apresentaram déficit nominal de R$ 5 bilhões no mês e de R$ 46,56 bilhões no ano, segundo o Banco Central.

O déficit nesse conceito corresponde à parte das despesas com juros não coberta por sobra de receita primária. Comparativamente a julho de 2010, quando chegou a R$ 15,415 bilhões, o déficit público nominal caiu a menos de um terço.

A comparação dos valores acumulados em sete meses também mostra recuo relevante em 2010, pois de janeiro a julho do ano passado as contas do setor público foram deficitárias em R$ 65,564 bilhões, quando incluídas as despesas com juros.

Em 12 meses até julho, o resultado nominal atingiu R$ 74,674 bilhões, também negativos, o equivalente a 1,9% Produto Interno Bruto estimado pelo BC para o período, em valores correntes. Mas recuou em relação ao percentual relativo aos 12 meses encerrados em junho, que foi de 2,19%.

No âmbito federal, o setor público apresentou déficit nominal de R$ 5,837 bilhões no mês. Os municípios também fora deficitários, em R$ 158 milhões. Mas no total o resultado foi menos deficitário do que na soma desses dois segmentos por causa do desempenho das empresas estatais e dos governos estaduais.

As empresas registraram superávit nominal de R$ 988 milhões e os governos dos Estados apuraram resultado positivo de R$ 240 milhões. Isso significa que fizeram superávit primário mais do que suficiente para cobrir despesas com juros.

No caso dos governos estaduais, esse foi o segundo mês consecutivo de superávit nominal. As estatais já vinham registrando superávit nominal há mais tempo.

Esse é único segmento com superávit nominal também no acumulado no ano (R$ 20 milhões). Não estão entre as empresas consideradas no resultado nem Petrobras nem Eletrobrás. Os números apurados pelo BC também deixam de forma empresas bancárias estatais.