Tamanho do texto

O déficit da Previdência Social caiu 19,3% no ano passado, totalizando R$ 36,2 bilhões. Essa é a primeira redução desde 1995.

A diferença sobe para 24,1%, se for descontada a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Os dados foram divulgados ontem pelo Ministério da Previdência.

Cálculos preliminares estimam que o déficit de 2008 foi equivalente a 1,25% do Produto Interno Bruto (PIB), valor bem inferior aos 1,73% do PIB verificados em 2007.

A crise econômica e o aumento do desemprego, no entanto, poderão fazer o déficit voltar a crescer em 2009. A estimativa do ministério é que o saldo negativo suba para R$ 41,1 bilhões, o equivalente a 1,3% do PIB. Essa projeção já considera o aumento do salário mínimo, que passará para R$ 465 em fevereiro, mas ainda não leva em conta a queda de vagas no mercado formal de trabalho ocorrida em dezembro, nem a possibilidade de a atividade econômica continuar enfraquecida.

No mês de dezembro, a Previdência apresentou superávit de R$ 1,7 bilhão. O saldo positivo, segundo o secretário de Previdência Social, Helmut Schwarzer, refletiu a antecipação do pagamento de boa parte do13º salário dos segurados. Isso aliviou as despesas que costumam ser mais altas no mês.

O ministro da Previdência, José Pimentel, avaliou como "bastante positivo" o resultado em 2008. Segundo ele, houve três razões para a queda do déficit: o crescimento do emprego formal, a ampliação do número de empresas inscritas no Simples Nacional ( programa simplificado de recolhimento de impostos para micro e pequenas empresas) e o maior rigor na concessão de auxílio-doença.

No ano passado, a arrecadação líquida da Previdência somou R$ 163,4 bilhões, com uma expansão real de 9,2%. As despesas líquidas com benefícios somaram R$ 199,6 bilhões, com crescimento real de 1,1%.

Pimentel evitou detalhar a análise sobre o impacto do fechamento de 654 mil postos de trabalho em dezembro sobre as contas da Previdência. Ele preferiu destacar o fato de que, mesmo com o desempenho ruim na geração de empregos no mês passado, o ano teve um saldo positivo de 1,4 milhão de empregos formais. E também chamou a atenção para a trajetória de crescimento das adesões ao Simples Nacional. Segundo o ministro, as micro e pequenas empresas criam a maior parte dos empregos e, somente em janeiro deste ano, a adesão média tem sido de 15 mil empresas por dia.

Para o secretário, ainda é necessário esperar para que se tenha uma avaliação mais clara do mercado de trabalho neste ano. "Não sabemos como será o comportamento do mercado de trabalho em 2009", afirmou argumentando que, embora esteja havendo agora uma queda do emprego, o mercado poderá se recuperar ao longo do ano.

Apesar disso, Schwarzer prevê um "resultado ruim" para as contas da Previdência em janeiro, por causa de fatores atípicos. Entre eles, o pagamento de R$ 3 bilhões em precatórios e uma redução de R$ 700 milhões da arrecadação por causa do adiamento do recolhimento do Simples, uma das medidas adotadas pelo governo para ajudar as empresas na crise.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.