Tamanho do texto

O dia começa com a reação aos indicadores da economia chinesa, que vieram em linha com o previsto

A terça-feira tem carregada agenda de indicadores. O dia começa com a reação aos indicadores da economia chinesa, que vieram em linha com o previsto. A inflação ao consumidor foi de 5,5% em maio, no comparativo anual, contra 5,3% em abril.

A leitura ficou dentro do previsto, mas é a maior em quase três anos. Já os preços no atacado marcaram alta de 6,8%, repetindo a leitura de abril, mas acima da projeção de 6,5%. No lado da atividade, as venda no varejo cresceram 16,9%, sempre na base anual, contra 17,1% em abril.

O prognóstico era de alta de 17%. A produção industrial no mês passado apontou avanço de 13,3%, superando os 13,1% previstos, mas abaixo dos 13,4% observados em abril. Os investimentos em ativos fixos apontaram alta de 25,8% nos cinco primeiros meses de 2011, contra alta de 25,2% registrada em igual período do ano passado.

Abrindo a agenda do dia, o Reino Unido mostra a inflação ao consumidor de maio. O tema inflação também é destaque na agenda americana, com a divulgação do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês). Espera-se estabilidade, após elevação de 0,8%. Para o núcleo do indicador, que tira alimentos energia da conta, o prognóstico é de elevação de 0,2%, após alta de 0,3%. Amanhã sai a inflação no varejo americano.

Ainda na agenda americana, aparecem os estoques nas empresas e as vendas no varejo, que devem mostrar retração de 0,4% em maio, após alta de 0,5% em abril. Tirando os automóveis da conta, está prevista expansão de 0,3%.

Encerrando a agenda dos EUA, o presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Ben Bernanke, tem discurso agendado para esta tarde. Por aqui, a Fiesp apresenta o Índice de Nível de Emprego da Indústria de São Paulo, referente ao mês de maio de 2011.

A semana ainda reserva a produção industrial americana, a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de junho e a prévia da confiança do consumidor americano agora em junho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.