Tamanho do texto

Argentina se vê como modelo em estratégia para países em dificuldades financeiras

selo

Cristina Kirchner durante entrevista em Buenos Aires após vitória nas primárias
Reuters
Cristina Kirchner durante entrevista em Buenos Aires após vitória nas primárias
Após a esmagadora vitória nas eleições primárias de ontem, com mais de 50% dos votos, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, disse hoje que o triunfo foi "um grande reconhecimento" à sua administração.

A presidente defendeu o uso das reservas do Banco Central (BC) para pagar os compromissos da dívida e recomendou aos países com problemas financeiros a receita argentina para enfrentar a crise de 2001/02, que incluiu default (calote) de mais de US$ 100 bilhões e reestruturação com um corte de mais de 60% do valor principal. Também disse que vai buscar uma posição comum com a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para levar ao G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo).

"Vai haver uma reunião muito importante em novembro do G-20, em Cannes, sobre a crise global. A ideia é falar com a companheira presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para levar uma posição ao G-20 sobre como vemos a situação internacional e os instrumentos que acreditamos que devam ser adotados para enfrentar a crise internacional", afirmou, em sua primeira entrevista coletiva à imprensa, desde fevereiro de 2010. 

Cristina ressaltou que "no mundo se menciona o caso da Argentina como solução (para os países europeus endividados), uma reestruturação da dívida com corte importante." "Somos um modelo. Estão mirando para nós porque o que está passando no mundo se parece muito a Argentina de 2001".

"Vamos ver como se desenvolve a crise nesse mundo. Fomos muito heterodoxos, com medidas especiais que, muitas vezes, foram incompreendidas", alfinetou. 

Cristina lembrou ter reiterado, em diversas oportunidades, que é preciso sustentar os bancos, mas assegurar também que essas instituições injetem recursos na economia real.

"Claro que Grécia não pode pagar 360 bilhões de euros, como era claro que a Argentina não podia pagar US$ 160 bilhões em dívida", acrescentou.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.