Tamanho do texto

Acordo tem intenção de equilibrar contas públicas para evitar novas crises

Vinte e cinco dos 27 países da União Europeia, com exceção de Grã-Bretanha e da República Tcheca, assinaram nesta sexta-feira em Bruxelas o Pacto de Estabilidade fiscal, destinado a equilibrar as contas públicas para evitar futuras crises de dívida, como a que atinge atualmente a zona do euro.

Classificado de "curto e contundente" pelo presidente da União Europeia, Herman Van Rompuy, os presidentes dos 25 países que assinaram o acordo se comprometem a manter o déficit do PIB anual abaixo de 3% a partir do momento em que entrar em vigor, uma vez que ao menos 12 dos 17 membros da zona do Euro o tenham ratificado.

"É uma etapa importante para reforçar a confiança em nossa união econômica e monetária", disse Van Rompuy na cerimônia de assinatura, durante a cúpula de presidentes europeus, que termina nesta sexta-feira em Bruxelas.

Este acordo estabelece uma "regra de ouro" para manter as contas públicas equilibradas, com sanções financeiras automáticas quando os déficits superarem os 3% do PIB.

O tratado estabelece um limite de 0,5% do PIB de déficit estrutural.A nova governança econômica prevê multas de até 0,2% do PIB para os países da União Monetária com déficit excessivo, e de até 0,1% aos que tenham grandes desequilíbrios macroeconômicos, como o desemprego ou o preço das casas inflado.

"Penso que é um sinal forte que mostra que aprendemos as lições da crise, que compreendemos a mensagem" enviada pelos mercados financeiros "e que desejamos um futuro com uma Europa politicamente unida", disse a chanceler Angela Merkel.

Este novo tratado foi exigido por Berlim em troca de manter sua solidariedade financeira com os países mais frágeis da Eurozona.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.