Tamanho do texto

De acordo com Lucas Papademos, acordo financeiro com financiadores é essencial para que não haja quebra nos próximos três meses

O primeiro-ministro grego, Lucas Papademos, advertiu na quarta-feira à noite em reunião com os sindicatos das empresas e dos trabalhadores que a Grécia enfrenta a possibilidade de quebra nos próximos três meses se não chegar a um acordo financeiro com os financiadores. Pela transcrição de seu discurso para os representantes dos agentes sociais do país, divulgado pela agência "AMNA", o chefe de Governo precisou que sem esse acordo e as subsequentes ajudas financeiras "a Grécia enfrenta o risco imediato de um calote descontrolado em março".

Saiba mais sobre a crise na Europa e entenda quem são os “Piigs”

Diante desse cenário, Papademos destacou a importância de os sindicatos dos trabalhadores e os das empresas chegarem a um acordo para reduzir os custos salariais no setor privado. "Temos de renunciar um pouco para não perder muito", justificou o ex-chefe do Banco Central da Grécia, quem assumiu as rédeas do Governo de união nacional em novembro em meio a pior crise econômica e financeira da história do país .

"Se nas próximas semanas não dermos os passos necessários, se não convencermos de que estamos dispostos a dar passos decisivos para sair da crise, nossa avaliação será negativa", ressaltou. Os representantes do grupo de ajuda à Grécia, composto pelo Banco Central Europeu (BCE), o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Comissão Europeia, devem chegar a Atenas em 15 de janeiro.

Os sindicatos já rejeitaram qualquer possibilidade de reduzir mais uma vez os salários do setor privado. O presidente da Confederação Geral do Trabalho, Yannis Panagopoulos, exigiu nesta quinta-feira em declarações a uma rádio que não interfira no acordo salarial assinado com o sindicato patronal há meses e questionou: "para que serve estarmos na zona de euro se temos salários de fome".

A patronal também não quer a redução do salário mínimo , mas aceita que é preciso chegar a um acordo para reduzir o custo salarial médio para as empresas. Por isso, o presidente da Associação de Empresas e Indústrias, Dimitris Daskalopoulos, convidou os agentes sociais para uma reunião em 9 de janeiro, para chegar a um acordo sobre a redução do custo de trabalho sem redução do salário mínimo.

"O diálogo social para a redução do custo salarial médio é de importância capital para melhorar a competitividade do país", garantiu Daskalopoulos em carta enviada aos representantes sindicais. Mas não só os sindicatos que resistem a novos ajustes salariais, também o partido conservador "Nova Democracia", que faz parte do Governo de unidade.

Leia também: Solução para a Grécia é privatizar o país, diz consultoria

A legenda anunciou nesta quinta-feira que se opõe a qualquer redução salarial no setor privado. Para esta quinta se espera um conselho de ministros chave para abrir uma via do diálogo com a "troika", já que se prevê a aprovação de um projeto de lei que aborde as medidas debatidas pelos analistas internacionais em sua última visita à Grécia em dezembro.

Entre estes temas, destacam a liberalização das profissões protegidas (especialmente táxis e caminhões) e medidas práticas para evitar a evasão fiscal, que é endêmica na Grécia. Foram precisamente os caminhoneiros os que fizeram fracassar todos os esforços de liberalização do Governo socialista anterior. Com o apoio dos então opositores conservadores e ultranacionalistas, as transportadoras bloquearam as estradas de todo o país e organizaram violentas manifestações.

>>> Confira a cobertura completa da Crise Econômica Mundial

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas