Tamanho do texto

Polícia da cidade reprime com rigor manifestação que comemorava seis meses do movimento

Eles começaram a se reunir em setembro e seu acampamento foi crescendo a cada semana que passava. A polícia, que se deparou com um movimento populista que fincou raízes no distrito financeiro, não tinha certeza de como reagir ao Ocupe Wall Street . Em algumas passeatas, os manifestantes foram presos por saírem da calçada e tomarem conta das ruas; em outras, a polícia mandou os manifestantes saírem da calçada.

Leia também:
Membros do Ocupe jogam fezes e urina em banco de Nova York

Inicialmente montar barracas era algo proibido, porém eventualmente as autoridades deixaram que elas fossem montadas apenas para bani-las novamente. O prefeito disse que acabaria com o acampamento em outubro do ano passado para liberar o acesso ao Parque Zuccotti, e depois pareceu ter quase desistido um mês antes de agir sobre sua promessa, até que realmente enviou a polícia para limpar o local no meio da noite e sem aviso prévio.

Manifestantes do Ocupe Wall Street enfrentam polícia em Nova York
NYT
Manifestantes do Ocupe Wall Street enfrentam polícia em Nova York

Dessa vez, com o ressurgimento do movimento Ocupe Wall Street, a resposta do prefeito Michael R. Bloomberg aos protestos não foi contraditória. Quando questionado em uma coletiva de imprensa no dia 19 de março se tinha uma estratégia para evitar uma grande quantidade de prisões de manifestantes, Bloomberg disse: "Quem quiser ser preso será."

Embora tenha dito que os protestos fazem parte de um "grande teatro", ele os tratou com uma certa indiferença. "Se realmente tivessem algo a dizer, isso seria uma grande contribuição, mas ninguém conseguirá escutar enquanto a multidão estiver gritando e empurrando", disse Bloomberg.

Novos confrontos

No dia 17 de março, após a parada do dia do São Patrício, aconteceu o primeiro grande confronto entre o movimento Ocupe Wall Street e o Departamento de Polícia de Nova York desde o dia 1º de janeiro: a polícia prendeu 76 manifestantes. Muitas dessas prisões aconteceram depois que a polícia declarou que o parque seria fechado na noite do dia 17 de março e ordenou que todos saíssem.

No dia 19 de março, o vereador Ydanis Rodriguez disse que iria pedir à oradora do conselho Christine C. Quinn que realizasse audiências para analisar as ações dos policiais. Ele disse também que acreditava que o Departamento de Polícia "utilizou de força bruta contra pessoas pacíficas" durante algumas das prisões.

Embora a maioria das prisões não tenham acontecido por causa de pequenos crimes, três pessoas foram acusadas de crimes maiores: uma mulher de 23 anos de Wisconsin foi acusada de dar cotoveladas no rosto de um policial, um homem foi acusado de tentar roubar uma arma e um rádio de um sargento da polícia e um homem de 25 anos de idade da Califórnia, segundo a polícia, foi acusado de empurrar um oficial.

Na tarde do dia 19 de março, uma dúzia de oficiais fardados cercou o parque em grupos de três e quatro, enquanto um grupo de manifestantes e turistas se misturava. Um oficial disse não estar ciente de que houve nenhuma prisão no final de semana. Havia poucos indícios de que os oficiais de plantão recebram instruções diferentes daquelas que foram adotadas no conflito do ano passado.

"Não aceitamos mais barracas ou sacos de dormir”

Um oficial afirmou que existe apenas uma regra especial adotada pela polícia. "Neste momento, a única regra é que você não pode passar a noite no parque", disse ele, acrescentando: "Não aceitamos mais barracas ou sacos de dormir.”

O oficial disse que, além disso, a polícia estava lá apenas para garantir que não aconteçam brigas e impedir qualquer crime. Ele apontou para um manifestante nas proximidades, Justin Pedra-Diaz, 38, que estava naquele exato momento gritando: "Saiam do ônibus e venham para o parque!" para um ônibus que passava.

"Aquele cara ali – aquele que está gritando – não vejo nenhum problema nisso", disse o oficial. "Ele não está incomodando ninguém."

Um porta-voz da polícia, o inspetor Kim Y. Royster, disse que as operações policiais no Parque Zuccotti serão "avaliadas diariamente"..

Por Joseph Goldstein

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.