Tamanho do texto

Comissão considera que UE está tomando as ações necessárias contra a crise econômica

A Comissão Europeia reiterou nesta segunda-feira que a d ecisão da agência "Stand ard & Poor's" de diminuir a qualificação de nove países da zona do euro é "muito estranha" pelo momento no qual foi anunciada e supõe uma "má interpretação" da resposta anticrise do bloco. "A ideia expressada pela agência de qualificação, de que a estratégia europeia se baseia unicamente no pilar da austeridade fiscal , representa uma séria má interpretação", afirmou Olivier Bailly, porta-voz da comissão, em entrevista coletiva diária.

Leia também: Berlim minimiza importância de rebaixamento da nota da França

Ele afirmou que a Comissão Europeia defendeu constantemente uma estratégia dupla baseada na consolidação e nas reformas estruturais desenhadas para impulsionar o crescimento e o emprego. "Consideramos que a UE em seu conjunto e os Estados-membros individualmente estão tomando as ações necessárias, já adotaram e continuarão adotando as medidas necessárias para apoiar a economia europeia e o setor bancário", disse Bailly.

Esta estratégia está sendo implementada e está proporcionando resultados, disse ele, já que vários Estados-membros estão introduzindo reformas de alcance que terão um "grande impacto" na competitividade, no crescimento e no emprego a médio prazo, ressaltou, embora tenha descartado um impulso fiscal. "Um impulso fiscal não está na agenda por enquanto", afirmou.

Leia também:
Sarkozy promete mais reformas após rebaixamento
Europa está dividida sobre ampliação de fundo de resgate

O porta-voz reiterou que a decisão da Standard & Poor's "é inconsistente na substância e muito estranha no que se refere ao momento do anúncio", já que aconteceu após vários desenvolvimentos positivos registrados por Estados-membros e após esforços importantes, como as reformas estruturais anunciadas nos últimos três meses na Itália, França e Espanha, afirmou.

Ele acrescentou que o anúncio aconteceu depois que os mercados reagiram positivamente ao leilão de bônus em dois dos países degradados, a Itália e a Espanha . "É um momento estranho se formos levar em conta todos os sinais positivos produzidos ultimamente", disse. Para ele, a agência não se baseia em elementos atualizados na sua análise. "Consideramos que nós temos mais elementos e mais atualizados sobre a situação nos Estados-membros que os investidores ou agências de qualificação. Trabalhamos diariamente com os Estados-membros, estamos em contato com as autoridades nacionais, os diferentes departamentos e compartilhamos informações das quais as agências não dispõem", explicou.

Leia também: Moody's vê pressão sobre perspectiva de rating da França

"Temos mais informação que as agências de qualificação e consideramos que há elementos que faltam em sua análise", acrescentou, destacando que em 2011 o déficit da eurozona era de 4,1%, este ano será de 3,4% e em 2013 de 3%. Neste momento não há margem para estímulos fiscais e por isso a estratégia para impulsionar o crescimento terá que se apoiar principalmente nas reformas estruturais, disse.

"A prioridade continua sendo a consolidação fiscal, é um elemento importante, mas em paralelo consideramos que as reformas estruturais são chave a médio e longo prazo. É verdade que em alguns Estados-membros o impacto será notado em dois, três anos ou mais e em outros será mais rápido, isso depende do tamanho das reformas e como serão implementadas", admitiu. A cúpula do dia 30 de janeiro se baseará, inicialmente, na criação de emprego e no crescimento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.