Tamanho do texto

Medida serviria para ajudar os países europeus em crise financeira

A presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje que o Brasil vai ajudar com a ampliação da base de capital do Fundo Monetário Internacional (FMI). No entanto, pediu que as economias emergentes tenham mais voz. A declaração foi dada após uma reunião com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

"Desde a reunião do G-20 em Cannes nós favorecemos maiores recursos para o FMI e também mais participação para o Brasil", disse Dilma. Merkel, por sua vez, destacou que no passado o Brasil já havia prometido contribuir para a recapitalização do fundo, embora tenha declarado que não conversou com Dilma sobre esse assunto.

As duas líderes disseram a repórteres depois de uma reunião na feira CeBIT em Hanover, na Alemanha, que discutiram as preocupações de Dilma de que uma enxurrada de dinheiro barato das nações industrializadas, incluindo as operações de liquidez do Banco Central Europeu (BCE), prejudicava países como o Brasil por levar a uma apreciação de suas moedas.

Dilma e Merkel colocam tablet à prova d'água em aquário na CeBIT
EFE
Dilma e Merkel colocam tablet à prova d'água em aquário na CeBIT
Merkel disse que tranquilizou Dilma de que essas eram apenas medidas temporárias destinadas a ajudar as reformas da zona do euro a fim de enfrentar a crise da dívida. O Brasil tem pedido que a Europa estabilize o euro antes que o FMI possa aumentar seu próprio capital e libere mais fundos para países em dificuldades da zona do euro, como a Grécia.

Energia nuclear

A Alemanha não decidiu ainda se vai renovar o aval de 1,4 bilhão de euros (R$ 3,2 bilhões) para a construção da usina nuclear de Angra 3, afirmou hoje a chanceler alemã Angela Merkel. Já a presidente Dilma Rousseff deixou claro que o Brasil continuará construindo Angra 3 de todo jeito, até porque já investiu muito dinheiro no projeto.

"Uma decisão definitiva não foi tomada", afirmou Merkel em entrevista junto com Dilma, hoje cedo, após visita na maior feira de telecom do mundo, na qual um pequeno grupo protestou discretamente contra o financiamento para o projeto brasileiro.

Como o Valor revelou, o Partido Social-Democrata questionou o governo de Merkel sobre a garantia de crédito a exportação de equipamentos para Angra 3. Consideram que isso é incoerente com a decisão da própria chanceler de fechar todas as usinas nucleares na Alemanha até 2022, apos a tragédia de Fukushima (Japão).

* Com Valor Online

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.