Tamanho do texto

Governo já discutiu emendas exigidas pelo Fundo, mas aguarda notificação formal desses termos

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, disse que o Fundo Monetário Internacional (FMI) é quem deverá fazer agora o próximo movimento antes que as conversações sobre um empréstimo possam ser retomadas. Orban afirmou à rádio pública que o governo discutiu emendas necessárias exigidas pelo FMI e a Comissão Europeia como uma precondição para as conversações sobre um acordo de empréstimo, mas que ainda aguarda notificação formal desses termos.

Leia também: Moody's corta rating da Hungria para grau especulativo

Ele afirmou que o gabinete se reuniu ontem sobre as emendas planejadas à polêmica lei do governo para o banco central e que as objeções à legislação levantadas pela UE e o FMI poderá ser rapidamente e facilmente resolvidas.

No entanto, Orban ressaltou que o FMI não notificou formalmente o governo húngaro sobre suas preocupações em relação à legislação - eles fizeram somente um comunicado sobre essa questão à imprensa e discutiram isso informalmente.

Orban se encontrará com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, no dia 24 de janeiro, quando ele espera alcançar um acordo sobre todas as questões em curso. Ele reiterou que o governo busca uma rápida conclusão para as negociações. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.